"Que os sinos dobrem pela direita e por esta maioria"

Secretário-geral do PCP encerra campanha da CDU com ironia, recordando Hemingway, e com a ideia de que domingo poderá representar um novo passo rumo à queda do Governo. João Ferreira pede às pessoas para "não premiarem os responsáveis pelo seu desalento com a abstenção".

A campanha da CDU às eleições europeias terminou no Seixal com muito entusiasmo, música e dança. Jerónimo de Sousa enfatizou essa alegria e, antecipando a derrota dos partidos que sustentam o Governo, ainda ironizou. Isto porque quando João Ferreira fazia a sua intervenção os sinos da igreja local tocaram e o secretário-geral do PCP não desperdiçou a oportunidade.

"Estava a ouvir os sinos e lembrei-me: 'Por quem os sinos dobram? Que seja pela direita, que seja por esta maioria [PSD/CDS]. Toquem os sinos a dobrar por essa partida'", atirou o líder comunista, recordando o romance do norte-americano Ernest Hemingway, bastante aplaudido pelas centenas de apoiantes presentes.

Por sua vez, o cabeça de lista na corrida ao Parlamento Europeu, João Ferreira, destacou que durante toda a campanha PS, PSD e CDS "não foram capazes de responder ao desafio que lhes foi lançado" de identificarem uma decisão importante e com relevo para o País em que "tenham votado de forma diferente" em Bruxelas/Estrasburgo.

E, a rematar, deixou ainda um apelo para mobilizar os indecisos e eventuais abstencionistas: "Não premeiem, com a abstenção, os responsáveis pelo vosso desalento e pelo vosso descontentamento."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.