"Que os sinos dobrem pela direita e por esta maioria"

Secretário-geral do PCP encerra campanha da CDU com ironia, recordando Hemingway, e com a ideia de que domingo poderá representar um novo passo rumo à queda do Governo. João Ferreira pede às pessoas para "não premiarem os responsáveis pelo seu desalento com a abstenção".

A campanha da CDU às eleições europeias terminou no Seixal com muito entusiasmo, música e dança. Jerónimo de Sousa enfatizou essa alegria e, antecipando a derrota dos partidos que sustentam o Governo, ainda ironizou. Isto porque quando João Ferreira fazia a sua intervenção os sinos da igreja local tocaram e o secretário-geral do PCP não desperdiçou a oportunidade.

"Estava a ouvir os sinos e lembrei-me: 'Por quem os sinos dobram? Que seja pela direita, que seja por esta maioria [PSD/CDS]. Toquem os sinos a dobrar por essa partida'", atirou o líder comunista, recordando o romance do norte-americano Ernest Hemingway, bastante aplaudido pelas centenas de apoiantes presentes.

Por sua vez, o cabeça de lista na corrida ao Parlamento Europeu, João Ferreira, destacou que durante toda a campanha PS, PSD e CDS "não foram capazes de responder ao desafio que lhes foi lançado" de identificarem uma decisão importante e com relevo para o País em que "tenham votado de forma diferente" em Bruxelas/Estrasburgo.

E, a rematar, deixou ainda um apelo para mobilizar os indecisos e eventuais abstencionistas: "Não premeiem, com a abstenção, os responsáveis pelo vosso desalento e pelo vosso descontentamento."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.