PCP diz que "manobra em curso" agravará sufoco

O secretário-geral do PCP advertiu esta sexta-feira que a "manobra em curso" sobre a saída da troika "agravará o sufoco" dos portugueses e antecipou que o Conselho de Ministros de amanhã "vai sair mal" ao Governo.

"Ao contrário do que toda a propaganda quer fazer crer não há nem saída, e muito menos limpa, do abismo económico e social para o qual atiraram o País", afirmou Jerónimo de Sousa, em conferência de imprensa na sede do PCP, em Lisboa.

Questionado sobre quais as expetativas sobre o documento que o Governo vai aprovar no Conselho de Ministros de amanhã, o líder comunista afirmou que se trata de "uma manobra de propaganda" e antecipou que "vai sair mal a operação".

Jerónimo de Sousa lembrou que o PCP, "tal como fez antes da entrada de Portugal na CEE, tal como fez antes da adesão ao euro e tal como fez aquando da assinatura do 'pacto de agressão', alerta também agora para que a manobra que está em curso não aliviará, antes pelo contrário, agravará o sufoco que está a ser imposto ao País".

"O que se prepara em nome de uma falsa saída são as condições e instrumentos para manter Portugal submetido ao espartilho do défice e da dívida e sujeito à ditadura do que agora designam por mercados", acusou Jerónimo de Sousa.

Num balanço sobre a situação do País três anos após a assinatura do memorando de entendimento, Jerónimo de Sousa destacou "mais 670 mil desempregados, 470 mil empregos destruídos, 600 mil portugueses lançados na pobreza, mais de 200 mil" que emigraram e "quase cem mil empresas liquidadas".

"O que o Governo e também o PS omitem é que a pretexto da chamada consolidação orçamental que pretensamente advogam, não só Portugal não está 'livre' como continuará num regime de liberdade condicional e sob escrutínio dos especuladores e do grande capital", considerou.

Jerónimo de Sousa alertou ainda para o "objetivo claro" do Governo de "reduzir o salário ao osso", com a "tentativa da liquidação da contratação coletiva".

O secretário-geral do PCP apelou ainda ao voto na CDU nas eleições europeias de 25 de maio para "dar mais força à defesa dos interesses do País" e "condenar o atual rumo da política nacional".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.