Moção de censura seria "clarificação do PS", diz Jerónimo

Secretário-geral do PCP diz que o Governo "já não tem cura" e mantém aberta a porta à apresentação de uma censura parlamentar. E vinca que os socialistas "não querem derrotar a direita", mas antes "entender-se com ela".

Jerónimo de Sousa desfilou na manhã desta sexta-feira pelas ruas do Barreiro ao lado de João Ferreira e, entre várias solicitações da população - uma das quais de um senhor que ofereceu Moscatel de Setúbal ao secretário-geral do PCP e ao cabeça de lista da CDU às eleições europeias -, renovou as críticas ao PS. Desta feita, com a hipótese de apresentação de uma moção de censura ao Governo em cima da mesa, o líder comunista foi contundente.

"Não estamos a colocar nenhuma obrigação aos outros partidos, o que estamos a exigir é uma clarificação. O PS gosta de se assumir como oposição, mas não tem feito grande coisa para fazer frente a esta política e a este Governo. De qualquer forma, é um momento que seria de clarificação", atirou Jerónimo de Sousa, desafiando António José Seguro a dizer o que quer depois do sufrágio de domingo.

O secretário-geral do PCP, que já tinha aberto a porta à censura ao Executivo, salientou que as eleições de domingo poderão vir a demonstrar a "redução da base social e política de apoio" a PSD e CDS, enfatizando, ao contrário do que têm dito os candidatos da "Aliança Portugal", que o escrutínio terá "inevitavelmente um significado nacional" para um "Governo que não tem cura".

Confrontado com o facto de a moção não ser mais do que um instrumento simbólico, visto que sociais-democratas e centristas dispõem da maioria na Assembleia da República, e se esperaria um sinal de Cavaco Silva, Jerónimo foi assertivo: "Não confio em grandes rasgos do Presidente da República, mas uma moção tem sempre uma dimensão política".

Já na intervenção no final da arruada, que mobilizou algumas centenas de populares, o líder comunista retomou as críticas ao PS, sublinhando "os acordos parlamentares ou governamentais [dos socialistas] com o PSD". "O PS não quer derrotar a direita, quer entender-se com ela", rematou para apelar ao voto na CDU, "a força que só tem uma cara e uma palavra".

Por sua vez, João Ferreira insistiu na reposição dos rendimentos dos trabalhadores e dos reformados para pedir "clareza" e a eliminação das "ambiguidades" do discurso do partido "rosa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.