João Ferreira critica promessas do PS aos reformados

Cabeça de lista da CDU diz que não basta Seguro anunciar que quer acabar com a "TSU dos pensionistas", exigindo a devolução dos "rendimentos roubados" ao longo dos últimos três anos.

João Ferreira nem quer ouvir falar da extinção da contribuição de sustentabilidade, a "TSU dos pensionistas, como lhe chamou António José Seguro. Para o cabeça de lista da CDU às eleições europeias do próximo domingo não basta que o PS faça essa promessa, mas antes que se comprometa a devolver "todos os rendimentos retirados" aos reformados durante os últimos três anos.

"As formas de roubo não ficaram por aí", afirmou num almoço com largas dezenas de reformados em Aljustrel, apontando os aumentos do IRS e do IVA, das taxas moderadoras na saúde, das comparticipações em medicamentos, os cortes nos transportes públicos, a lei das rendas ou as reduções diretas nas pensões como exemplos do "ataque" aos idosos.

E enquanto dirigia as críticas aos socialistas alguns dos apoiantes da CDU presentes no salão do Sindicato dos Mineiros lá atiravam "eles [PS, PSD e CDS] são iguais, são farinha do mesmo saco". Embalado, João Ferreira lembrou propostas do PCP no Parlamento - que socialistas, sociais-democratas e centristas chumbaram -, nomeadamente o aumento de 4,5% (25 euros no patamar mais baixo) para todas as reformas.

Já no que respeita a domingo, o eurodeputado pediu uma mobilização massiva, pois "é preciso que todos os votos lá entrem". O objetivo já é conhecido, isto é, eleger um terceiro eurodeputado - meta que reiterou - e o candidato até terminou com uma toada pedagógica sobre o espaço em que as pessoas devem colocar a cruz: "É mais fácil contar de baixo do que contar de cima, o quadrado é o terceiro a contar de baixo." Isto para prevenir eventuais confusões entre os logótipos da CDU e do PCTP/MRPP.

Já depois da intervenção, João Ferreira ainda teve tempo para ouvir quem lhe gabasse a aparência, neste caso uma das cozinheiras: "Ai, quem ali está! Eu já nem consigo lavar a louça..."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.