João Ferreira critica promessas do PS aos reformados

Cabeça de lista da CDU diz que não basta Seguro anunciar que quer acabar com a "TSU dos pensionistas", exigindo a devolução dos "rendimentos roubados" ao longo dos últimos três anos.

João Ferreira nem quer ouvir falar da extinção da contribuição de sustentabilidade, a "TSU dos pensionistas, como lhe chamou António José Seguro. Para o cabeça de lista da CDU às eleições europeias do próximo domingo não basta que o PS faça essa promessa, mas antes que se comprometa a devolver "todos os rendimentos retirados" aos reformados durante os últimos três anos.

"As formas de roubo não ficaram por aí", afirmou num almoço com largas dezenas de reformados em Aljustrel, apontando os aumentos do IRS e do IVA, das taxas moderadoras na saúde, das comparticipações em medicamentos, os cortes nos transportes públicos, a lei das rendas ou as reduções diretas nas pensões como exemplos do "ataque" aos idosos.

E enquanto dirigia as críticas aos socialistas alguns dos apoiantes da CDU presentes no salão do Sindicato dos Mineiros lá atiravam "eles [PS, PSD e CDS] são iguais, são farinha do mesmo saco". Embalado, João Ferreira lembrou propostas do PCP no Parlamento - que socialistas, sociais-democratas e centristas chumbaram -, nomeadamente o aumento de 4,5% (25 euros no patamar mais baixo) para todas as reformas.

Já no que respeita a domingo, o eurodeputado pediu uma mobilização massiva, pois "é preciso que todos os votos lá entrem". O objetivo já é conhecido, isto é, eleger um terceiro eurodeputado - meta que reiterou - e o candidato até terminou com uma toada pedagógica sobre o espaço em que as pessoas devem colocar a cruz: "É mais fácil contar de baixo do que contar de cima, o quadrado é o terceiro a contar de baixo." Isto para prevenir eventuais confusões entre os logótipos da CDU e do PCTP/MRPP.

Já depois da intervenção, João Ferreira ainda teve tempo para ouvir quem lhe gabasse a aparência, neste caso uma das cozinheiras: "Ai, quem ali está! Eu já nem consigo lavar a louça..."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.