Jerónimo pede "pancadão eleitoral" ao Governo

Secretário-geral do PCP diz que direita chegou ao poder porque o Executivo de Sócrates estava "mal visto como o diabo" e vinca que PS "fica com pele de galinha" com as críticas da CDU.

Jerónimo de Sousa vê nas eleições europeias deste domingo a oportunidade ideal para que os portugueses "penalizem" e "castiguem" o Governo de Passos Coelho e Paulo Portas, pedindo mesmo um "pancadão eleitoral" ao Executivo. Esta terça-feira, o secretário-geral do PCP encerrou um comício em Alhandra no qual reiterou a meta da CDU: "Eleger mais deputados é mesmo uma aspiração, uma possibilidade, um objetivo. Não é utópico reforçar as nossas posições [em Bruxelas]."

Na intervenção, perante algumas centenas de apoiantes da coligação PCP/PEV, o líder comunista vincou que a direita chegou ao poder com base em "enganos", "falácias" e "conversa fiada", regressando a 2011 para também atacar o PS. "O PS estava mal visto como o diabo por causa daquela governação desastrosa de Sócrates e as pessoas pensaram 'aí vem a direita responsável'", lamentou.

Mas as críticas não se ficaram por aí. O PS, que tem sido o alvo preferencial durante a campanha, falou de "sectarismo maximalista" e Jerónimo devolveu a simpatia, ao salientar que o partido "rosa" "fica com pele de galinha" quando a CDU o ataca. E desafiou ainda António José Seguro e Francisco Assis a fazerem "um ato de contrição, um pedido de desculpa aos portugueses" por terem amarrado o País ao memorando de entendimento.

Num toada de mobilização popular, Jerónimo lançou o repto a todos os apoiantes para também serem "candidatos" e atirou em jeito de brincadeira: "Estão à espera que o João Ferreira e a Inês [Zuber] façam tudo?"

No que à votação de domingo diz respeito, o secretário-geral do PCP ainda explicou que para votar na CDU é preciso procurar "a foice e o martelo mas também o girassol" no boletim de voto, deixando uma provocação àqueles que aponta como "símbolos que tentam meter a foice em seara alheia" - alfinetada ao PCPT/MRPP.

Já o cabeça de lista na corrida ao Parlamento Europeu, frisou que "não há leituras inteligentes do tratado orçamental", pelo que defendeu categoricamente uma desvinculação de um documento que contou com as rubricas de PS, PSD e CDS. "Não queiram fazer os portugueses de estúpidos", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.