"Abstenção e votos brancos não fazem mossa à troika"

Cabeça de lista insiste na ideia de que "o voto útil só pode ser na CDU" e acusa o PS de Seguro e Assis de estar "à espera que o poder caia maduro nos braços".

João Ferreira contrariou esta quarta-feira o apelo de António José Seguro e Francisco Assis à concentração de votos no PS, defendendo que "o voto útil para derrotar este Governo e a sua política só pode ser na CDU". O cabeça de lista da coligação PCP/PEV às eleições europeias fez mesmo um apelo à mobilização popular e à participação no sufrágio de domingo ao vincar que "não são as abstenções, os votos brancos ou nulos que fazem mossa à coligação ["Aliança Portugal"] e à troika".

Num comício em Beja, o dirigente comunista salientou que o reforço da CDU no ato eleitoral se traduzirá em "menos eurodeputados submissos à Europa dos poderosos" e observou, com maior veemência do que tem vindo a fazer, que "o País tem de se libertar da ditadura do euro e rejeitar todos os mecanismos que lhe estão associados".

O eurodeputado falou mais de meia hora e, como também tem sido habitual, os recados ao PS foram vários, em particular sobre "as falsas promessas de mudança". "Ao contrário de outros, nunca ficámos pelas meias-tintas, pelas abstenções violentas ou sentados, à espera, para ver para onde o vento sopra", criticou João Ferreira, que frisou que o partido liderado por António José Seguro desistiu de lutar pela queda do Governo PSD/CDS e por eleições antecipadas por estar "comprometido" com as atuais políticas.

"Esperam esses que o poder lhes caia, maduro, nos braços", lamentou o primeiro candidato da CDU, indo ao encontro do que dissera José Luís Ferreira (PEV). Isto porque, minutos antes, o deputado ecologista sublinhara que PS, PSD e CDS "são farinha do mesmo saco". E, ao longo dos últimos anos, "só tem mudado o saco, mas a farinha tem sido a mesma", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.