Portugueses por Obama mas 'lisboetas' por McCain

Legais ou ilegais, os luso-americanos preferem o candidato democrata. Mas na terra de Ohio a que Lisboa deu nome, só o xerife daria o seu voto ao senador negro.

Se fosse possível, votaria Obama . "Porque é melhor para a imigração", justifica ele, crente de que o democrata conquistará a Casa Branca. Mas Eurico Barradas não pode votar. Nem existir, sequer. O jovem de 31 nos vive na clandestinidade desde que deixou a aldeia de Rebordelo, em Vinhais, para atravessar o Atlântico e aterrar no restaurante Marbella, nos subúrbios de Cleveland, Ohio, estado que tem apenas seis mil dos 1,17 milhões de luso-americanos a residir nos EUA.


O Marbella promete, aos riquíssimos clientes da vizinhança - judeus ligados à joalharia e indústria militar - cozinha portuguesa e espanhola. Ou melhor, variações de ambas (sem bacalhau…) que agradam os refeiçoantes de Beechwood, zona de condomínios fechados e clubes selectivos, com duas sinagogas a terem o exclusivo religioso. Clientela distinta que deixa gorjetas graúdas aos cinco portugueses ali empregados.


E Barradas bem precisa, para compor o salário e alimentar Daniel, o filho de 17 meses cuja mãe, também de Vinhais, trabalha na lavandaria do Marbella. "Juntos, fazemos 3600 dólares por mês", diz. Não é muito, mas "suficiente para viver melhor do que em Portugal", agarrado às obras ou na lavoura, a esgravatar os penedos que lhe marejam o olhar de saudade. "Não tenho a carta verde - autorização de residência e de trabalho -, mas já meti os papéis. Paguei seis mil dólares a uma advogada", diz Eurico. "O problema é que, durante a campanha, está tudo parado. O processo não anda e, se a polícia cá vier, terei chatices", repara ele, que regressará a Portugal "se Deus quiser". Problemas, mas não muitos: "As coisas são mais facilitadas por o meu filho ter cidadania americana".


Também Armindo Pedreira a possui. Há quatro anos. Essa e a outra, a portuguesa, desde que nasceu nas Caldas da Rainha, em 1966. É o único imigrante recenseado, e inclina-se para Obama : "McCain está velho; ainda corremos o risco de ter lá (Casa Banca) a Palin. É gira, mas pouco esperta", diz o português, casado com a venezuelana Militza, mãe de Fátima, de 9 anos.


A ele, pelo contrário, não falta inteligência nem iniciativa. A necessidade já o teve nas petrolíferas do Mar do Norte e nos Alpes suíços, antes de chegar aos EUA a convite de um primo de Nova Jérsia. Correu-lhe tão bem que, após o êxito num restaurante de Pittsburgh, Pensilvânia, foi convidado para gerir o Marbella. E ali todos os clientes o cumprimentam, efusivos. Tratam-no como se fosse um deles. Mas não é: "Vivo num condomínio com sauna, piscina e até golfe, tal como eles; tenho um bom carro e a Fátima na escola que os filhos deles frequentam", assegura. "Mas nunca me tratarão como igual. Porque não nasci cá, na América". E, todavia, porque nada o prende a Portugal, é ali que quer morrer. Rico, de preferência. Como eles, os clientes do Marbella, que jamais o verão como igual.


E muito menos em Lisbon, pois a pequena vila no extremo oriental do Ohio é alheia, até, à existência de coisa chamada Portugal, o país de cuja capital tomou o baptismo em 1803 - por sugestão de um alemão - e que ninguém sabe indicar no mapa. Lisbon não está melhor: só por engano é que alguém se demora na rua breve ladeada por prédios em tijolo, um fontanário e um coreto sem préstimo. "Mas é bom para criar os filhos. Aqui não há crimes", garante o xerife local, Kenny Biacco.


Votará Obama, mas o homem que cumpre patrulhas diárias pelas múltiplas quintas da zona há 27 anos e conhece todos os 'lisboetas' pelo nome, sabe que está desacompanhado. "Aqui ganham os republicanos", diz. Militância não falta, estimulada apelo reverendo Berry Walker, de 69 anos. Foi capelão dos marines a vida toda, e não aceita que "um gajo chamado Barack HUSSEIN Obama", sublinha, "venha a substituir alguém como Bush. Nunca", diz, garantindo que Lisbon escolherá McCain. "Porque é uma cidade patriótica". Será. E também um bocadinho racista.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG