Novo papa deve ser capaz de liderança e comunicação

O arcebispo de São Paulo, Odilo Scherer, principal brasileiro entre os candidatos a ocupar o lugar deixado por Bento XVI, considerou hoje que o novo papa deve ser um homem de "grande fé", capaz de liderança e comunicação.

"Podemos desejar que seja uma pessoa preparada do ponto de vista intelectual e teológico, homem de grande fé e vigor espiritual, capaz de liderança e de comunicação", afirmou Odilo Scherer, em declarações divulgadas pela Arquidiocese de São Paulo.

Em destaque na lista dos "elegíveis", o cardeal brasileiro completa que "ninguém nasce papa", mas "aprende a desempenhar a missão enquanto a exerce".

Para Scherer, entre os principais desafios do novo pontífice está a renovação interna da própria Igreja, além de questões ligadas à sua presença entre os fiéis, a partir de uma nova evangelização e transmissão da fé.

"Há os desafios da presença pública da Igreja no mundo, no contexto da política, da economia, da educação, das relações sociais e internacionais. O Evangelho não é um bem privado da Igreja, mas uma luz para o mundo, que não deve ser ocultada, mas irradiada", completou.

Sobre a renúncia de Bento XVI, Scherer considerou que o ato em si ajudará a Igreja a voltar-se para a essência da sua fé e da sua missão.

"A própria renúncia é um gesto que ajudará a Igreja a voltar-se mais para o essencial da sua vida e missão, a partir de um renovado encontro com a sua própria razão de ser e existir", opina.

Dom Odilo Scherer está desde quarta-feira passada em Roma, onde participará no conclave que elegerá o sucessor de Bento XVI.

O Colégio de Cardeais reúne-se hoje, pelo segundo dia consecutivo, para preparação do conclave. O novo papa deverá ser escolhido até à Páscoa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG