Papa quer contribuir para relação entre judeus e católicos

O Papa Francisco exprimiu o desejo de contribuir para o "progresso das relações entre judeus e católicos", numa carta dirigida ao líder da comunidade hebraica de Roma e publicada hoje.

"Espero vivamente poder contribuir para o progresso das relações que os judeus e católicos têm desenvolvido a partir do Concílio Vaticano II, num espírito de colaboração renovada", escreve o Papa Francisco na carta, publicada no site da comunidade hebraica de Roma (www.romaebraica.it).

Esta posição coloca o novo chefe da Igreja Católica na linha de pensamento de João Paulo II e Bento XVI.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.