Grande mensagem de Deus é a misericórdia, diz o Papa

O papa Francisco disse hoje que a grande mensagem de Deus é a misericórdia e que Jesus não veio ao mundo pelos justos, mas sim pelos pecadores.

"Também nós somos como esse povo, por um lado gostamos de ouvir Jesus, mas por outro gostamos de criticar os outros, condenar os outros. A mensagem de Jesus é a misericórdia", disse Francisco na missa a que presidiu hoje na paróquia de Santa Ana, no Vaticano, antes de rezar o primeiro Angelus do pontificado na praça de São Pedro.

O papa Bergoglio acrescentou: "digo-o humildemente, a mensagem mais forte do Senhor é a misericórdia".

O bispo de Roma recordou que Jesus veio ao mundo "não pelos justos, que se justificam por si mesmos, mas pelos pecadores".

A pequena igreja de Santa Ana, no interior dos muros do Vaticano, encheu-se para a celebração, que precede a segunda aparição pública do papa argentino.

Antes de entrar na igreja, o papa dedicou algum tempo a saudar a multidão que se encontrava no exterior.

Muitas dezenas de milhares de pessoas começaram já a concentrar-se na praça de São Pedro para ver o papa aparecer, às 12:00 (11:00 em Lisboa) na varanda do seu futuro apartamento privado no 3.º andar do palácio apostólico, de onde rezará o Angelus.

Ecrãs gigantes estão montados na zona para transmitir as imagens do papa, enquanto helicópteros vigiam o centro de Roma, totalmente interdito à circulação automóvel devido ao Angelus e à maratona de Roma.

A afluência ao seu primeiro Angelus deverá ser um teste à popularidade do novo papa, que nos últimos dias seduziu os media com a sua simplicidade e o seu sentido de humor.

Em contraste com o seu tímido predecessor, Bento XVI, o novo papa não hesita a fugir ao protocolo para dizer alguns gracejos.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.