Cavaco Silva espera visita do Papa a Fátima em 2017

O Presidente da República, Cavaco Silva, elogiou hoje em Roma os primeiros dias do papa Francisco e disse esperar a visita do novo líder dos católicos em 2017, por ocasião do centenário das Aparições marianas de Fátima.

Presente em Roma para as cerimónias oficias de início do Pontificado, Cavaco Silva recordou que a última visita de Bento XVI foi antecedida de um "convite formal" do Presidente da República para o chefe de Estado da Santa Sé e mostrou-se disponível para fazer o mesmo com o papa Francisco: "Não o deixarei de o fazer, como é óbvio".

"Espero bem que os portugueses, na sua própria terra, tenham oportunidade de manifestar o seu afeto ao papa Francisco quando ele visitar um dia Portugal", disse Cavaco Silva, que aposta na visibilidade de Fátima no mundo católico.

"Todos sabemos que em 2017 teremos o centenário das Aparições de Fátima e eu recordo que, pelo menos os dois últimos papas, em particular João Paulo II, manifestaram uma grande ligação a Nossa Senhora de Fátima", afirmou o Presidente português.

"Numa data tão especial como o centenário" das Aparições, "parece-me provável que o papa Francisco não queira deixar de estar presente. Seria uma grande alegria para a Igreja portuguesa" e "estou convencido que os portugueses ficariam muito satisfeitos se decidisse visitar Portugal", disse aos jornalistas Cavaco Silva, que elogiou os primeiros momentos do pontificado do até há pouco arcebispo de Buenos Aires.

"O papa Francisco já conquistou a simpatia do mundo inteiro, pela sua simplicidade, pela sua proximidade às pessoas" e "é um sinal de esperança para todos os católicos e espero que seja também um sinal de esperança para os portugueses".

Penso que será um papa que prestará uma atenção muito particular aos mais fracos" e que dará o seu "contributo para a paz no mundo", acrescentou o Presidente português.

A escolha do nome, em homenagem a Franciso de Assis, "é um sinal" da vontade do novo líder da Igreja em dar "prioridade aos mais pobres", acrescentou Cavaco Silva, que acompanha terça-feira as cerimónias oficiais no Vaticano.

O cardeal argentino jesuíta Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, foi eleito papa na quarta-feira num conclave que reuniu 115 cardeais em Roma, escolhendo o nome de Francisco.

Francisco sucede a Bento XVI e é o 266.º papa da Igreja Católica.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.