Acusados de crimes contra a humanidade usam insígnias do Vaticano em homenagem a Bergoglio

Um grupo de réus acusados de crimes contra a humanidade cometidos durante a ditadura na Argentina (1976-1983) apareceu esta quinta-feira no seu julgamento usando insígnias do Vaticano para homenagear Jorge Mario Bergoglio.

A cadeia de televisão C5N e o jornal local La Mañana de Córboda difundiram imagens dos acusados usando as insígnias do Vaticano, durante o julgamento que decorreu na cidade de Córdoba, no noroeste da Argentina.

Com início em Dezembro de 2012, o julgamento determinará responsabilidades sobre um grupo de 40 soldados acusados de tortura num centro de detenção clandestino em La Perla, Córdoba, um dos mais importantes do país na época. O principal arguido, Luciano Menendez, já foi condenado sete vezes a prisão perpétua por crimes cometidos durante o regime militar.

A escolha do Papa Francisco, na passada quarta-feira, despertou polémica na Argentina, devido à atitude complacente da Igreja Católica Argentina durante os anos da ditadura.

Ler mais

Exclusivos