Início da primeira congregação de cardeais no Vaticano

A primeira congregação de cardeais, preparatória do conclave que vai eleger o sucessor de Bento XVI, começou na Aula Nova do Sínodo, no Vaticano, pouco depois das 09:30 locais (08:30 em Lisboa).

A estes encontros, durante os quais será marcada a data do conclave, assistem 150 cardeais, dos 207 que integram o Colégio cardinalício, esperando-se que os restantes cheguem entre o dia de hoje e quarta-feira.

Os "media" italianos apontaram para 11 de março como data de início do conclave, mas o presidente do colégio de cardeais, Angelo Sodano, afirmou que a data só será fixado depois de todos os "cardeais eleitores" chegarem a Roma.

Outro objetivo destas congregações é identificar, entre os cardeais, os candidatos a líder de 1,2 mil milhões de católicos.

"Vamos demorar o tempo que for preciso para pensar em que tipo de papa a Igreja precisa agora", disse o cardeal francês Andre Vingt-Trois.

"Gostaria de ter um poliglota, um homem de fé, um homem de diálogo... O novo papa terá seguramente de se confrontrar com os problemas existentes na Cúria" romana, o governo da Igreja Católica, acrescentou.

O pontificado de oito anos de Bento XVI foi frequente dominado pelas intrigas do Vaticano e os escândalos de pedofilia na Europa e América do Norte, ocultados durante décadas por responsáveis da Igreja.

Um total de 115 cardeais eleitores - com menos de 80 anos de idade - deverá participar no conclave.

O Vaticano afirmou já esperar que um novo papa seja eleito antes da Páscoa, a data mais importante no calendário cristão, que este ano se celebra a 31 de março.

Os líderes da Igreja estão preocupados com questões como o celibato, homossexualidade, divórcio, contraceção, além do diálogo inter-religioso, ou os esforços desenvolvidos por Bento XVI para reavivar a fé na sociedade atual.

"Os temas dominantes que se apresentam, agora, à Igreja são as questões inter-religiosas, a pobreza e a crise que vemos na Europa e que se vai alargar", acrescentou Vingt-Trois.

De acordo com observadores do Vaticano, entre os principais candidatos contam-se o cardeal italiano Angelo Scola, um grande promotor do diálogo inter-religioso, e o austríaco Christoph Schoenborn, antigo aluno de Bento XVI com ideias progressistas.

Os cardeais norte-americanos Sean O'Malley, que pôs fim aos abusos sexuais na arquidiocese de Boston, e Timothy Dolan, arcebispo de Nova Iorque, também são possíveis candidatos.

O cardeal canadiano Marc Ouellet, um conservador, está bem cotado.

Da América Latina, região com o maior número de católicos no mundo, o cardeal brasileiro e arcebispo de São Paulo Odilo Scherer é visto como um favorito.

De África, apontam-se como possíveis candidatos são Peter Turkson do Gana, Robert Sarah da República da Guiné e o arcebispo de Duran, na África do Sul, Wilfrid Napier.

Da Ásia, o candidato mais falado é o arcebispo de Manila Luis Antonio Tagle, de 55 anos, um teólogo e pastor muito popular.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG