Alvorninha divide-se quanto à eleição de José Policarpo

Reconhecido como o mais mediático "filho da terra", o cardeal José Policarpo divide e opiniões em Alvorninha, nas Caldas da Rainha, onde há quem gostasse de o ver chegar a papa e quem defenda o contrário devido à idade.

José da Cruz Policarpo é um dos cardeais de todo o mundo que, a partir de terça-feira, 12 de março, participará na Capela Sistina, no Vaticano, no conclave que elegerá o sucessor de Bento XVI, que no dia 28 de fevereiro renunciou ao cargo.

"Feitas as contas, D. José Policarpo deve ter 0,89 ou 0,90% de possibilidades de vir a ser papa, pelo que as pessoas da freguesia não alimentam muitas expectativas sobre isso", disse à agência Lusa Virgílio leal, presidente da Junta de Freguesia de Alvorninha, no concelho das Caldas da Rainha.

"Ele poderia ser um bom papa, mas devido à sua idade [77 anos] acho que não seria muito bom para a sociedade e, em pouco tempo, estaríamos novamente em rutura e à procura de um novo papa", afirmou, por seu turno, Hermínia Matos, habitante na terra do patriarca.

" espera de consulta na extensão de Saúde de Alvorninha, Alvarim Tomás corrobora a opinião: "se fosse da outra vez, quando entrou o Ratzinger [hoje Papa Emérito], tinha mais jeito, agora com esta idade acho que já não deve ser eleito".

Nascido na pequena localidade de Pego (freguesia de Alvorninha), a 26 de fevereiro de 1936, José da Cruz Policarpo é hoje o morador mais ilustre da aldeia quase deserta e onde várias casas se encontram praticamente em ruínas.

" capela do largo, onde durante vários anos celebrou missa [após a ordenação em 1961] volta algumas vezes ao domingo, para celebrar com algumas famílias locais a eucaristia.

Uma relação de proximidade que o presidente da Junta de Freguesia tem a certeza que se perderá se José Policarpo for o próximo papa.

"Ele é uma pessoa muito querida, que acede sempre que solicitamos a sua presença em celebrações na freguesia, onde batizámos com o seu nome um Centro de Desenvolvimento e se, um dia chegar ao topo máximo da hierarquia da igreja, deixemos de poder contar com ele como presença regular na terra", reconhece.

Hoje com 78 anos, Abílio Caetano é dos poucos habitantes que se lembra de conviver com o cardeal, "antes de ele ir para o seminário".

Numa época em que "não havia os carros que há hoje, nem as estradas, ele e os primos do Pego vinham a pé até Alvorninha, para virem à missa todos os domingos".

Tempos de "uma outra convivência" que deixaram no antigo proprietário do café da aldeia a imagem de "um homem de uma inteligência extraordinária e um grande sentido de orientação".

Com o mesmo orgulho com que o viu "chegar a cardeal", em 2001, Abílio Caetano gostaria agora de o ver suceder a Bento XVI, mas, sustenta, "acho que ele também não queria e acabaria por resignar".

José da Cruz Policarpo foi ordenado sacerdote em agosto de 1962 e, em 1968, formou-se em Teologia Dogmática pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma.

Uma década depois foi nomeado bispo auxiliar de Lisboa e em 1998 chegou a 16.º patriarca de Lisboa.

Participou no Conclave de 2005, que elegeu Joseph Ratzinger como papa e é atualmente um dos 115 cardeais eleitores.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG