Ex-chefe do FMI invocou "imunidade diplomática"

Dominique Strauss-Kahn, acusado de crimes sexuais por uma funcionária de um hotel de Nova Iorque, invocou imunidade diplomática no momento da sua detenção no aeroporto JKF, segundo um documento publicado quinta-feira pelo procurador de Manhattan.

O documento de sete páginas, citado pela AFP, revela algumas conversas de Strauss-Kahn com a polícia entre o momento em que ligou para o hotel Sofitel a partir de um avião com destino a Paris para reclamar a perda de um telemóvel até à noite de 15 de maio, quando pediu uma sandes na esquadra policial onde foi ouvido. De acordo com a transcrição dos diálogos, às 17:00 locais de 14 de Maio (20:00 em Lisboa), na esquadra do aeroporto JFK, em Nova Iorque, conversou com dois polícias, tendo-lhes perguntado se as algemas eram mesmo "necessárias".

A resposta dos agentes foi: "sim, são" ao que o ex-director-geral do Fundo Monetário Internacional retorquiu "tenho imunidade diplomática", explicando que os documentos que o comprovam estavam "num segundo passaporte". Mais tarde, um polícia disse a Strauss-Kahn: "Neste país, tem direito [a um advogado] se quiser, desconheço se tem algum estatuto diplomático".

Em resposta, o antigo responsável do FMI disse: "Não, não, não, não quero usar isso, quero apenas saber se preciso de um advogado", ao que o polícia respondeu: "cabe-lhe a si decidir".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG