"Excluir Darfur da agenda da Cimeira foi um erro"

O drama de Darfur vai ficar arredado da agenda oficial da Cimeira UE-África. Como comenta?
Lamento que um assunto tão importante seja encarado como marginal, susceptível de apenas ser discutido nos corredores da cimeira. É o respeito pela dignidade humana que está em causa. Não compreendo a decisão da presidência portuguesa da União Europeia.

 

É o resultado de pressões?
Acredito que tenha havido pressões do Presidente sudanês, Omar al-Bachir. A UE pode ter "cedido". Não sei. Não faço ideia de quem estabelece a agenda, mas ainda não é tarde para reconsiderar. Seria um bom gesto do Governo português.

 

Já esteve no Darfur?
Duas vezes. Sobretudo fora das grandes cidades, aquilo parece terra de ninguém, onde ninguém assume responsabilidades pelo que pode acontecer. Sente-se que a vida está em risco a qualquer momento.

 

O Sudão é um país onde a opulência convive com a indigência. Um país rico/pobre...
O Sudão está a tornar-se num país rico, por via do petróleo. As pessoas começaram a aperceber-se dessa riqueza do Governo, isso torna-o cada vez mais intransigente.

 

O petróleo "fala" mais alto do que os direitos humanos?
O petróleo influencia os decisores internacionais. A China, por exemplo...

 

A comunidade católica no Sudão sente perigo?
Para o Governo de Cartum, só conta o Islão, a maioria islâmica. Nós estarmos ou não estarmos, para o Presidente, é igual. Somos dez milhões - dois milhões de católicos em Cartum e mais de oito milhões no Sul -, mas, um dia destes, somos extintos.

 

Um dia destes, o Sudão fica completamente islamizado, sem espaço para católicos?
Há esse perigo. Explico-lhe porquê: o FMI aplicou no Sudão a sua velha receita: acabar com os subsídios para as populações carenciadas na produção de açúcar, pão, nos cuidados médicos. Esse corte prejudicou, maioritariamente, os católicos. Os islâmicos continuam a receber ajudas do Governo. A Igreja Católica no Sudão não consegue ajudar tantos necessitados ao nível dos cuidados médicos, por exemplo. A tendência para a conversão ao Islão compreende-se a esta luz. A decisão do FMI acabou por ser uma vantagem para o Governo promover o islamismo.

 

O que pensa da recente polémica em torno da professora britânica, que permitiu que os alunos dessem o nome de Maomé a um urso de peluche?
Um caso infeliz. Mas a professora também não foi suficientemente prudente na escolha das palavras certas.

 

Última pergunta: se Bush quisesse mesmo, não acha que a questão de Darfur estava resolvida?
Sabe, o Sudão tem o apoio do mundo árabe. Portanto, seria como no Iraque. E a América, convenhamos, não está preparada para outro Iraque.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.