Mbeki questiona qualidade da liderança na África do Sul

O ex-presidente sul-africano, Thabo Mbeki, questionou hoje se a atual liderança do país tem um comportamento consistente com os valores defendidos por Nelson Mandela, colocando publicamente em causa os seus colegas de partido (ANC).

"Eu acho que para celebrar devidamente a sua vida, é preciso fazer uma pergunta sobre a qualidade dos nossos líderes", disse Mbeki, durante uma cerimónia de oração na sinagoga Oxford, em Joanesburgo, segundo noticiou a agência de notícias francesa AFP.

E reforçou: "Até que ponto estamos a seguir os critérios que eles (Nelson Mandela e sua geração) estabeleceram sobre a liderança de qualidade".

Mbeki sucedeu a Mandela como líder do país em 1999, antes de ser deposto em 2008 pelo atual chefe de Estado Jacob Zuma.

De acordo com Mbeki, o ideal de transformar a África do Sul numa sociedade de liberdade, justiça e igualdade, foi "em muitos aspetos, mais difícil do que a luta para acabar com o sistema de 'apartheid' [segregação racial]".

A questão da liderança "torna-se muito mais importante, muito mais complexa, no contexto do que resta a ser feito" na atualidade, disse o ex-presidente.

Os sul-africanos precisam questionar a sua lealdade para com os valores de Mandela e sua geração, frisou Mbeki, considerando que qualquer que seja a classe social, tudo o que é feito na política, negócios, sindicatos e empresas, deve incorporar as qualidades de liderança de Mandela.

"Ao celebrarmos a vida de Mandela, devemos pensar sobre o que precisa ser feito para manter o legado de Mandela, para garantir que não será traído tudo pelo que ele e outros se sacrificaram", assinalou.

A atual liderança do Congresso Nacional Africano (ANC), liderado no passado por Mandela e Mbeki, é cada vez mais criticada, entre acusações de nepotismo e corrupção.

O presidente Zuma é acusado de ter utilizado mais de 200 milhões de rands (14,5 milhões de euros) de dinheiros públicos para obras de melhoria na sua residência privada.

A morte de Nelson Mandela, aos 95 anos, foi anunciada na quinta-feira pelo Presidente da República da África do Sul, Jacob Zuma, numa comunicação televisiva.

Líder da luta contra o "apartheid", Nelson Mandela foi o primeiro presidente negro da África do Sul, entre 1994 e 1999.

O funeral de Estado do antigo presidente sul-africano, Nelson Mandela, realiza-se no dia 15 de dezembro.

Na segunda-feira, vai realizar-se uma cerimónia nacional para lembrar Mandela no estádio do Soweto, perto de Joanesburgo.

O corpo do ex-presidente estará exposto na sede da Presidência em Pretória, o complexo Union Buildings, entre terça-feira e quinta-feira.

No dia 15, Nelson Mandela será enterrado na sua aldeia natal, Qunu, no sul do país.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG