Obama e Bush vão à África do Sul "na próxima semana"

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a mulher, Michelle, vão à África do Sul "na próxima semana" prestar homenagem a Nelson Mandela. Serão acompanhados pelos seus antecessores na Casa Branca, George e Laura Bush.

"O Presidente Obama e a primeira dama deslocar-se-ão a África do Sul na próxima semana para prestar homenagem a Nelson Mandela e participar nas cerimónias em sua memória", disse hoje aos jornalistas o porta-voz do Executivo norte-americano, Jay Carney, no dia a seguir à morte do herói da luta anti-apartheid, aos 95 anos.

O antecessor de Obama, George W. Bush, aceitou por seu lado o convite da Casa Branca para viajar a bordo do avião presidencial Air Force One, segundo um porta-voz deste antigo Presidente norte-americano.

O pai de Bush, o antigo Presidente George H.W. Bush, foi igualmente convidado mas teve de recusar, dado que o seu estado de saúde, aos 89 anos, é demasiado frágil para uma viagem de longa distância, disse à AFP o seu porta-voz, Jim McGrath.

A AFP tentou saber se os outros antigos presidentes dos EUA vivos, Bill Clinton e Jimmy Carter, tinham planos para uma deslocação à África do Sul, mas não obteve resposta.

O Presidente sul-africano, Jacob Zuma, anunciou hoje que se realizará uma cerimónia nacional em memória de Mandela no dia 10 de dezembro no estádio do Soweto. O líder histórico será sepultado na sua aldeia de Qunu no dia 15 deste mês.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.