Alegado intérprete foi acusado de homicídio em 2003

O alegado intérprete de língua gestual na cerimónia de homenagem a Nelson Mandela, na terça-feira, foi acusado de homicídio em 2003, noticiou hoje o canal de televisão local eNCA.

Thamsanga Jantjie, que está receber tratamento para a esquizofrenia, também foi acusado de violação em 1994, roubos e assaltos a domicílios em 1995 e 1997, e sequestro em 2003.

Jantjie, que a Federação dos Surdos da África do Sul disse ser "uma fraude", alegou na quinta-feira ter sofrido um episódio esquizofrénico que o distraiu durante as traduções das intervenções dos chefes de Estado na cerimónia em homenagem do ex-presidente sul-africano no estádio Cidado do Futebol, no Soweto, e à qual assistiram dezenas de milhares de pessoas.

De acordo com a eNCA, muitas das acusações contra Jantjie foram retiradas devido aos problemas mentais de que alega sofrer.

Jantjie foi absolvido da acusação de violação, mas foi considerado culpado de roubo e condenado a três anos de prisão. Desconhece-se se cumpriu a sentença.

Documentos judiciais mostram que o processo de homicídio, tentativa de homicídio e sequestro de que foi acusado, juntamente com outras pessoas, em 2003, foi entregue ao Tribunal Superior de Gauteng em 2004 e concluído em novembro de 2006, mas desconhece-se o resultado.

Jantjie recusou comentar o que se passou com o caso, e a Procuradoria sul-africana afirmou não poder confirmar ou negar a existência destas acusações contra Jantjie, indicou a televisão sul-africana.

O ministro de Arte e Cultura sul-africano, Paul Mashatile, disse hoje que o governo vai regular a profissão de intérprete com uma nova lei, a aprovar no próximo ano.

"Pedimos desculpa aos surdos e a todos os sul-africanos por qualquer ofensa que tenham sofrido", disse o governo, em comunicado.

"Esperamos começar a regular a profissão no início de 2014, através da lei do conselho de intérpretes da África do Sul, para que este incidente nunca mais se repita", acrescentou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG