Um mundo sem Ben Laden

Se olharmos em perspectiva, seremos forçados a concluir que Ben Laden esteve na origem de algumas das mais significativas mudanças estratégicas, ocorridas na última década, na sociedade internacional.

Em 11 de Setembro de 2011, assisti em Nova Iorque, como representante português nas Nações Unidas, ao modo como o mundo reagiu àquela que representava a maior provocação que a América havia já sofrido no seu território continental. Estes ataques somavam-se já a anteriores actos terroristas levados a cabo sob a responsabilidade da Al-Qaeda e induziram mudanças muito profundas na nossa cultura de colectiva segurança e defesa, para além de terem redesenhado o mapa de estabilidade de várias áreas do mundo.

Do Iraque à Indonésia, de Espanha ao Reino Unidos, de Marrocos a tantos outros terrenos de intervenção violenta, foi com alguma surpresa que verificámos estar perante uma verdadeira franchising do terror, que recorria a modelos diversificados de mobilização do extremismo islâmico.

Ben Laden só conseguiu, contudo, o seu trágico currículo de sucesso porque foi capaz de federar e potenciar tensões já latentes, fruto de situações sem resposta política. Não nos esqueçamos do modo como a "rua árabe" saudou as suas acções e como, a partir de então, a Al-Qaeda vem a conseguir uma forte popularidade, com recrutamento de legiões de mártires para missões suicidas. Fautor do 11 de Setembro, Ben Laden colheu dele todo o sinistro prestígio que o tornou no inimigo público número um do mundo ocidental, tornando-se simultaneamente herói de quantos o odeiam.

Todos nos interrogamos, nesta ocasião, sobre o efeito que a morte de Ben Laden pode vir a ter no universo da luta terrorista. Julgo que ninguém terá, para tal, uma resposta minimamente segura. Se a isso somarmos o vento de instabilidade que atravessa o mundo árabe, fácil é concluir que, num cenário de afirmação estratégica central para a segurança internacional, se vão viver tempos de grande indefinição.

* embaixador

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.