Primavera sem Ben Laden

A morte de Ben Laden é politicamente vantajosa para Obama. A quatro meses do décimo aniversário do 11 de Setembro, o Presidente americano revela-se, no dossier Ben Laden, o comandante-em-chefe que George W. Bush não conseguiu ser. Capturar e matar o líder terrorista que provocou mais danos morais e humanos à maior superpotência da história mostra planeamento, melhoria da teia de informações e determinação, precisamente aquilo que se tem dito não ter Barack Obama. Fecha-se um ciclo iniciado com os ataques a Nova Iorque e Washington, abre-se uma janela de oportunidade para capitalizar o feito em círculos fora do partido Democrata em inícios da grande maratona eleitoral.

Esta operação exigiu tempo e sobretudo secretismo. A unilateralidade da acção americana resulta da profunda desconfiança nos serviços secretos paquistaneses, o que desde já indicia que o caminho azedo entre os dois países se manterá. Esta é talvez uma das duas maiores preocupações da Administração Obama: como melhorar as relações com Islamabad depois desta acção. A outra prende-se com os previsíveis golpes de vingança à morte de Ben Laden. A Al-Qaeda sobrevive-lhe e vai provar que está suficientemente forte para honrar o chefe. Mas este foi progressivamente descentralizando a rede evitando uma dependência excessiva a uma cadeia rígida de comando e controlo. O seu grande mérito é este: a ameaça terrorista inspirada numa contracultura fundamentalista (ao Ocidente e a grande parte do Islão) é um projecto político tão globalizado e disseminado que dificilmente será derrotado pelos meios convencionais do "mundo livre".

As networks regionais (África ocidental e de Leste, Médio Oriente e Magrebe, Europa e Cáucaso), as pequenas células de indivíduos integrados no quotidiano ocidental ou a acção experiente e geograficamente variável dos "veteranos do Afeganistão", continuam motivadas e prontas a honrar o projecto do grande mártir, como ontem lhe chamou o Hamas. Por morrer Ben Laden não começa a Primavera.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.