"Matar", disse ele. E cumpriu o que disse

A 13 de Dezembro de 2001, a revista Time contou o vídeo em que, durante um jantar com sequazes, Ben Laden comentava a queda das Torres Gémeas, acontecida só três meses antes. A revista guardou o último parágrafo para citar esta frase que o terrorista disse aos seus: "Quando as pessoas vêem um cavalo forte e um cavalo fraco, por natureza tendem a gostar do cavalo forte." Sete anos depois, em 2008, durante a campanha, Barack Obama disse o que havia a fazer com Ben Laden - e disse-o numa palavra e de forma clara: "matar" - que surpreendeu os que o supunham fraco. Depois, ao ser eleito, ele escolheu uma equipa musculada para a segurança e política externa - Hillary Clinton, na Secretaria de Estado, Robert Gates, que transitou do Governo Bush para o mesmo posto na Defesa, e o general Jim Jones, que foi comandante supremo da OTAN, para conselheiro principal de Segurança. Nesse momento, os americanos começaram a suspeitar de que Obama não estava disposto a dar a outra face, não cumpriria um mandato como um seu correligionário, o democrata James Carter, que permitiu que os fundamentalistas do ayatollah Khomeini sequestrassem os funcionários da embaixada americana em Teerão - fraqueza que alimentou durante décadas a força do islamismo. Então, naqueles dias em que havia expectativa sobre o novo, tão original e desconhecido Barack Obama, os humoristas americanos foram os primeiros a perceber. Steve Colbert fingiu-se enganado: "Então, não era o Dalai Lama para a Segurança? E o Michael Moore não ia ser promovido a general, para filmar a retirada das tropas do Iraque? E o Bono?..." E, de forma ainda mais clara de falso espanto, o famoso Jon Stewart disse no seu programa The Daily Show: "Querem ver que quando Obama dizia que queria matar o Ben Laden era mesmo a sério?!" Eles, os humoristas, adivinharam, logo em 2008, antes mesmo de Obama tomar posse, que este Presidente percebera a metáfora de Ben Laden. Esta semana, o mundo inteiro entendeu. A América não aceita fazer de cavalo fraco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.