Republicanos usam Bin Laden para justificar tortura

Os interrogatórios a prisioneiros de Guantánamo tiveram apenas um pequeno papel na identificação do mensageiro que levou à descoberta do esconderijo de Osama bin Laden. O uso recorrente de tortura em alguns detidos nada revelou, mas a operação contra o líder da Al-Qaeda já está a ser aproveitada por responsáveis da anterior presidência dos EUA para justificar o uso de técnicas de interrogatório brutais.

Os membros do anterior governo norte-americano, liderado pelo Presidente republicano George W. Bush, chamam à tortura "técnicas de interrogatório melhoradas", como o afogamento simulado, conhecido por "waterboarding". John Yoo, ex-responsável do Departamento de Justiça que escreveu em memorandos secretos que se justificava o uso deste interrogatórios, diz que o actual Presidente, Barack Obama, "pode reivindicar, com todo o direito, o êxito alcançado" na operação que levou à morte de Bin Laden, "mas deve-o às decisões duras tomadas anteriormente pela Administração Bush".

O The New York Times, que através do WikiLeaks teve acesso aos relatórios dos interrogatórios aos detidos na prisão localizada em Cuba, concluiu que os interrogatórios agressivos tiveram um papel pequeno na busca por Bin Laden, salienta hoje o El País. A descrição do mensageiro de confiança de Bin Laden, Abu Ahmad, foi feita por um detido que foi sujeito pontualmente a interrogatórios mais duros.

Mas os prisioneiros que foram sujeitos às técnicas mais agressivas não providenciaram informação relevante. Khalid Shaikh Mohammed, sujeito a "waterboarding" 183 vezes, mentiu e confundiu a CIA, serviços secretos norte-americanos, sobre a identidade do mensageiro. Glenn L. Carle, agente da CIA já reformado e que participou em interrogatórios a prisioneiros, disse ao jornal nova-iorquino que as técnicas coercivas "não proporcionarem informação útil, significativa nem fidedigna". "A conclusão é a seguinte: se tivéssemos obtido alguma prova determinante graças ao uso do "waterboarding" em 2003 teríamos capturado Bin Laden em 2003", vincou por sua vez Tommy Vietor, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.