"Líder Al-Qaida teve de ter apoio de responsáveis paquistaneses"

O líder da Al-Qaida teve de ter apoio de responsáveis paquistaneses para se esconder durante tanto tempo nos arredores de Islamabad, afirmou hoje o conselheiro do presidente dos Estados Unidos para o Combate Anti-Terrorista.

Em conferência de imprensa, John Brennan afirmou que os serviços de informação norte-americanos procuram agora identificar exatamente o tipo de apoio recebido por Usama Bin Laden e irão analisar com detalhe o conteúdo da residência onde foi localizado.

O conselheiro de Barack Obama adiantou ainda que o governo dos Estados Unidos não deu conhecimento prévio da operação às autoridades paquistanesas.

Brennan disse também que Bin Laden se tinha servido de uma mulher como escudo humano, durante o raide feito por forças especiais norte-americanas a um complexo habitacional nos arredores de Islamabad.

Este dirigente do governo de Obama acrescentou que a CIA tinha uma "certeza crescente" de que a casa vigiada era a residência de Bin Laden, apesar de as provas serem apenas "circunstanciais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.