Filha diz que pai foi apanhado vivo e depois assassinado

Uma filha de Osama Bin Laden assegurou que o pai foi capturado vivo pelos soldados norte-americanos antes de ser assassinado, segundo o canal de televisão árabe Al-Arabiya, citando uma fonte das forças de segurança paquistanesas.

De acordo com a mesma fonte, identificada como um alto responsável das forças de segurança do Paquistão, os soldados norte-americanos detiveram Bin Laden durante os primeiros minutos do ataque militar à casa onde o líder da Al-Qaeda se encontrava.

A mesma fonte, que teve acesso ao testemunho da filha do líder da Al-Qaeda, garantiu que só depois as forças norte-americanas mataram Bin Laden.

A morte do líder da rede terrorista foi anunciada pelo Presidente norte-americano, Barack Obama, no domingo à noite em Washington (segunda-feira de madrugada em Lisboa).

Segundo responsáveis norte-americanos, o líder da Al-Qaeda foi morto durante um ataque a um complexo nos arredores de Islamabad, na localidade de Abbottabad, onde a sua presença foi confirmada no final de Abril.

A Casa Branca divulgou na terça-feira mais detalhes da operação militar, referindo que Bin Laden não estava armado quando foi morto.

"Existia inquietação sobre o facto de Bin Laden resistir à operação de captura, e com efeito resistiu (...) Bin Laden foi morto pelo disparo de bala. Não estava armado", referiu o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.