Conheça os detalhes da operação que levou à captura

O ataque à casa de Bin Laden foi feito pelos SEALS. Participaram 20 soldados e a operação durou 40 minutos. As pistas surgiram há vários anos com um interrogatório em Guantánamo. O líder da Al Qaeda foi surpreendido com a operação montada pelos soldados americanos pertencentes aos SEALS.

A operação começou com quatro helicópteros a sobrevoar a casa situada em Abbottabad, a 60 quilómetros da capital do Paquistão. Imediatamente, 20 soldados, com explosivos de mão e equipados com meios de visão nocturna iniciaram o ataque.

De acordo com a cadeia de televisão Fox, os soldados deram a oportunidade a Bin Laden para se render antes de o alvejarem com um tiro na cabeça. Mas um oficial das forças que intervieram na operação já veio dizer que se tratava de "uma operação para matar" e que nunca ouve ordens para capturar Bin Laden. Nesta operação morreu um filho de Bin Laden, uma mulher usada como escudo humano no tiroteio, um mensageiro e o seu irmão.

Entre as forças norte-americanas não existiram baixas, apesar de um helicóptero ter sido atingido. De acordo com relatos dos meios de informação norte-americanos, o helicóptero terá sido posteriormente destruído pelos SEALS quando a tripulação já estava a salvo. A operação durou cerca de 40 minutos e os militares norte-americanos abandonaram o complexo de helicóptero, levando consigo o cadáver de Usama bin Laden que foi posteriormente lançado ao mar.

"Foi uma operação de precisão cirúrgica, realizada por uma equipa pequena, para minimizar danos em relação a civis presentes no complexo ou residentes em locais próximos", contaram algumas fontes.

Esta operação foi montada pelo Comando Conjunto de Operações Especiais e a CIA. E foi aprovada no sábado pelo presidente Obama, depois de ter tido a garantia de que era naquele local que Bin Laden se escondia.

Ainda segundo os meios de informação norte-americanos, a informação sobre o local onde Bin Laden se escondia já era conhecida das autoridades desde Agosto - o líder da Al Qeida deixou o refúgio nas montanhas para se instalar numa mansão de um milhão de dólares, oito vezes maior do que qualquer outra na região de Abbottabad.

O facto de se tratar de uma casa de luxo e não dispôr de Internet nem telefone motivou maior desconfiança, assim como o facto de estar protegida com muros duplos de seis metros de altura, vários seguranças e rodeada de arame farpado.

Apesar de contraditórias, algumas notícias apontam que os serviços de inteligência paquistaneses participaram na operação. Mas o ataque foi unicamente realizado pelos SEALS, um dos corpos de elite mais bem preparados do mundo e cujo lema é "a dor é temporal, o orgulho dura toda a vida".

Até à conclusão da operação, asseguraram fontes, os Estados Unidos não partilharam as informações com nenhum outro país, nem sequer com o Paquistão, por razões de segurança. "Era essencial para manter o segredo e a segurança da operação", disse uma das fontes, acrescentando que o governo norte-americano informou "a posteriori", imediatamente após a operação, o aliado paquistanês e outros aliados.

Mensageiro levou norte-americanos a líder da Al-Qaida

A operação norte-americana que levou à morte de Usama bin Laden foi preparada e realizada com "precisão cirúrgica", a partir de informações que permitiram localizar um mensageiro da confiança do líder da Al-Qaida, segundo responsáveis dos EUA.

Detidos na prisão norte-americana de Guantánamo deram aos interrogadores o pseudónimo desse mensageiro e disseram tratar-se de um protegido de Khalid Sheikh Mohammed, autor confesso do plano para cometer os atentados de 11 de Setembro de 2001, segundo responsáveis citados pela imprensa dos Estados Unidos.

O verdadeiro nome do mensageiro foi conhecido pelos serviços de informações norte-americanos há quatro anos, mas foram precisos mais dois anos para determinar em que região ele se movimentava e outros dois para o localizar num complexo em Abbotabad, cerca de 50 quilómetros a norte de Islamabad, o que ocorreu em Agosto de 2010. E foi a partir daqui que foi possível chegar a Bin Laden...

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.