Cerimónia fúnebre decorreu a bordo de porta-aviões norte-americano

A cerimónia fúnebre de Usama Bin Laden decorreu no convés do porta-aviões norte-americano Carl-Vinson, no mar de Omã, e respeitou as tradições muçulmanas, afirmou hoje um alto responsável do Departamento de Defesa norte-americano.

A cerimónia teve início às 05:10 TMG (06:10 em Lisboa) e terminou cinquenta minutos depois, de acordo com o mesmo responsável, citado por agências internacionais e que preferiu o anonimato.

"Os procedimentos tradicionais para as cerimónias fúnebres islâmicas foram seguidos", referiu.

O corpo de Bin Laden foi lavado e embrulhado depois num pano branco, que foi colocado dentro de um saco fechado.

Um oficial leu um texto religioso que um intérprete traduziu para árabe, acrescentou o mesmo responsável.

O corpo do líder da Al-Qaida foi posteriormente lançado ao mar, com recurso a uma prancha.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou no domingo à noite em Washington (madrugada de hoje em Lisboa) que Usama bin Laden foi morto no Paquistão por forças especiais norte-americanas.

Segundo responsáveis norte-americanos, o líder da Al-Qaida foi morto durante o ataque a um complexo nos arredores de Islamabad, na localidade de Abbottabad, onde a sua presença foi confirmada no final de Abril.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.