Cerimónia fúnebre decorreu a bordo de porta-aviões norte-americano

A cerimónia fúnebre de Usama Bin Laden decorreu no convés do porta-aviões norte-americano Carl-Vinson, no mar de Omã, e respeitou as tradições muçulmanas, afirmou hoje um alto responsável do Departamento de Defesa norte-americano.

A cerimónia teve início às 05:10 TMG (06:10 em Lisboa) e terminou cinquenta minutos depois, de acordo com o mesmo responsável, citado por agências internacionais e que preferiu o anonimato.

"Os procedimentos tradicionais para as cerimónias fúnebres islâmicas foram seguidos", referiu.

O corpo de Bin Laden foi lavado e embrulhado depois num pano branco, que foi colocado dentro de um saco fechado.

Um oficial leu um texto religioso que um intérprete traduziu para árabe, acrescentou o mesmo responsável.

O corpo do líder da Al-Qaida foi posteriormente lançado ao mar, com recurso a uma prancha.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou no domingo à noite em Washington (madrugada de hoje em Lisboa) que Usama bin Laden foi morto no Paquistão por forças especiais norte-americanas.

Segundo responsáveis norte-americanos, o líder da Al-Qaida foi morto durante o ataque a um complexo nos arredores de Islamabad, na localidade de Abbottabad, onde a sua presença foi confirmada no final de Abril.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.