Cerimónia fúnebre decorreu a bordo de porta-aviões norte-americano

A cerimónia fúnebre de Usama Bin Laden decorreu no convés do porta-aviões norte-americano Carl-Vinson, no mar de Omã, e respeitou as tradições muçulmanas, afirmou hoje um alto responsável do Departamento de Defesa norte-americano.

A cerimónia teve início às 05:10 TMG (06:10 em Lisboa) e terminou cinquenta minutos depois, de acordo com o mesmo responsável, citado por agências internacionais e que preferiu o anonimato.

"Os procedimentos tradicionais para as cerimónias fúnebres islâmicas foram seguidos", referiu.

O corpo de Bin Laden foi lavado e embrulhado depois num pano branco, que foi colocado dentro de um saco fechado.

Um oficial leu um texto religioso que um intérprete traduziu para árabe, acrescentou o mesmo responsável.

O corpo do líder da Al-Qaida foi posteriormente lançado ao mar, com recurso a uma prancha.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou no domingo à noite em Washington (madrugada de hoje em Lisboa) que Usama bin Laden foi morto no Paquistão por forças especiais norte-americanas.

Segundo responsáveis norte-americanos, o líder da Al-Qaida foi morto durante o ataque a um complexo nos arredores de Islamabad, na localidade de Abbottabad, onde a sua presença foi confirmada no final de Abril.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.