Alta Comissária para os Direitos Humanos pede "divulgação completa" de informações sobre morte

A Alta Comissária para os Direitos Humanos das Nações Unidas, Navi Pillay, pediu hoje a "divulgação completa dos factos precisos" sobre as circunstâncias em que o líder da Al-Qaida, Usama bin Laden, foi morto.

"Continuo a defender uma divulgação completa dos factos precisos", declarou Pillay, quando questionada se tinha ficado satisfeita com as explicações norte-americanas sobre a legalidade da operação. "Penso que não só os meus serviços, mas todos têm o direito de saber exatamente o que se passou", disse a alguns jornalistas durante uma visita a Oslo.

Na véspera, o procurador-geral norte-americano, Eric Holder, assegurou ao Senado que a operação das forças especiais norte-americanas no Paquistão foi "completamente legal" e resulta de um "acto de legítima defesa" dos Estados Unidos.

O caráter contraditório de algumas informações, nomeadamente sobre o facto de Bin Laden estar armado no momento da intervenção, levantou dúvidas sobre a vontade do comando norte-americano de capturar vivo o líder da Al-Qaida.

Para Pillay, se "as Nações Unidas condenam o terrorismo (...), elas também têm regras elementares sobre o modo como as atividades de contra-terrorismo devem ser conduzidas". "Isso deve ser feito de acordo com as leis internacionais", disse, sublinhando que estas leis não autorizam, por exemplo, "a tortura ou as execuções extra-judiciais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.