Alta Comissária para os Direitos Humanos pede "divulgação completa" de informações sobre morte

A Alta Comissária para os Direitos Humanos das Nações Unidas, Navi Pillay, pediu hoje a "divulgação completa dos factos precisos" sobre as circunstâncias em que o líder da Al-Qaida, Usama bin Laden, foi morto.

"Continuo a defender uma divulgação completa dos factos precisos", declarou Pillay, quando questionada se tinha ficado satisfeita com as explicações norte-americanas sobre a legalidade da operação. "Penso que não só os meus serviços, mas todos têm o direito de saber exatamente o que se passou", disse a alguns jornalistas durante uma visita a Oslo.

Na véspera, o procurador-geral norte-americano, Eric Holder, assegurou ao Senado que a operação das forças especiais norte-americanas no Paquistão foi "completamente legal" e resulta de um "acto de legítima defesa" dos Estados Unidos.

O caráter contraditório de algumas informações, nomeadamente sobre o facto de Bin Laden estar armado no momento da intervenção, levantou dúvidas sobre a vontade do comando norte-americano de capturar vivo o líder da Al-Qaida.

Para Pillay, se "as Nações Unidas condenam o terrorismo (...), elas também têm regras elementares sobre o modo como as atividades de contra-terrorismo devem ser conduzidas". "Isso deve ser feito de acordo com as leis internacionais", disse, sublinhando que estas leis não autorizam, por exemplo, "a tortura ou as execuções extra-judiciais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.