Especialista: Morte pode enfraquecer fundamentalistas, mas problema mantém-se

Uma especialista portuguesa defendeu hoje que a morte de Osama bin Laden poderá a «médio ou longo prazo» contribuir para o enfraquecimento do movimento fundamentalista, mas o problema do terrorismo mantém-se

Maria do Céu Pinto, professora de Ciência Política na Universidade do Minho e autora de vários livros sobre o islamismo, justificou esta opinião ao afirmar que o "projecto fundamentalista protagonizado pelo Bin Laden não teve maior aderência do que em certas franjas radicais do mundo islâmico". Para Maria do Céu Pinto, isso é visível, por exemplo, nas próprias revoluções democráticas que aconteceram e estão a acontecer no mundo árabe. "O discurso islamista nem sequer é um dos grandes protagonistas destas revoluções e revoltas no mundo árabe, o que significa que a ideologia islâmica radical acabou por não ter a adesão que inicialmente se perspectivava após o [ataque] 11 de Setembro", disse.

A especialista considerou que esta eliminação do terrorista mais procurado internacionalmente apenas poderá provocar no imediato "alguns casos isolados" de manifestações extremistas no mundo árabe. "Não me parece que vá ser motivo de revoltas ou manifestações de pesar maciças no mundo árabe", disse. "A prazo pode diminuir a importância do terrorismo, embora esta morte de Bin Laden não seja sinónimo do fim do movimento, porque já existia e vai continuar a existir", acrescentou. Para Maria do Céu Pinto, o perigo que hoje existe vai continuar a existir nos próximos tempos "como existia até ontem", porque "o movimento tem uma vida própria que vai além da existência física ou espiritual de Bin Laden, que era apenas o seu protagonista, actor principal".

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou no domingo à noite em Washington que Osama bin Laden foi morto no Paquistão por forças especiais norte-americanas. Segundo responsáveis, o líder da Al-Qaida foi morto durante o ataque a um complexo nos arredores de Islamabad, onde a sua presença foi confirmada no final de Abril.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG