Cerimónia fúnebre decorreu a bordo de porta-aviões norte-americano

A cerimónia fúnebre de Usama Bin Laden decorreu no convés do porta-aviões norte-americano Carl-Vinson, no mar de Omã, e respeitou as tradições muçulmanas, afirmou hoje um alto responsável do Departamento de Defesa norte-americano.

A cerimónia teve início às 05:10 TMG (06:10 em Lisboa) e terminou cinquenta minutos depois, de acordo com o mesmo responsável, citado por agências internacionais e que preferiu o anonimato.

"Os procedimentos tradicionais para as cerimónias fúnebres islâmicas foram seguidos", referiu.

O corpo de Bin Laden foi lavado e embrulhado depois num pano branco, que foi colocado dentro de um saco fechado.

Um oficial leu um texto religioso que um intérprete traduziu para árabe, acrescentou o mesmo responsável.

O corpo do líder da Al-Qaida foi posteriormente lançado ao mar, com recurso a uma prancha.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou no domingo à noite em Washington (madrugada de hoje em Lisboa) que Usama bin Laden foi morto no Paquistão por forças especiais norte-americanas.

Segundo responsáveis norte-americanos, o líder da Al-Qaida foi morto durante o ataque a um complexo nos arredores de Islamabad, na localidade de Abbottabad, onde a sua presença foi confirmada no final de Abril.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.