Osama Bin Laden deixa testamento em que pede desculpa aos filhos

O líder da Al-Qaida Osama Bin Laden, que morreu no domingo, deixou escrito num testamento feito em 2001 que não queria que os filhos trabalhassem na rede terrorista, noticiou hoje o jornal do Kuwait Al Anbaa.

No testamento de quatro páginas, escrito pouco depois dos atentados de 11 de Setembro, e cuja veracidade não foi confirmada, Bin Laden pede perdão aos filhos por lhes ter dedicado "pouco tempo" a partir do momento que respondeu "à chamada da 'jihad' (guerra santa)".

"Carreguei o peso dos muçulmanos e dos assuntos destes. Escolhi um caminho cheio de perigos", afirma Bin Laden numa parte do testamento dirigido aos filhos.

Noutra parte, na qual fala às mulheres, o líder da Al-Qaida reconhece que foram "um grande apoio" no caminho que escolheu e pede-lhes para não pensarem em casar depois de morrer para poderem dedicar o tempo a tomar conta dos filhos.

No final do testamento, com data de 14 de Dezembro de 2001, três meses depois dos atentados de 11 de Setembro nos Estados Unidos, Bin Laden também envia uma mensagem aos mujaidines (guerreiros santos).

"Esqueçam-se de momento de combater contra os judeus e os cruzados e dediquem-se a purificar as vossas filas dos agentes, os vergonhosos e os ulemas do mal que não participam na 'jihad' (...), afirma.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou no domingo à noite em Washington que Osama bin Laden foi morto no Paquistão por forças especiais norte-americanas.

Segundo responsáveis norte-americanos, o líder da Al-Qaida foi morto durante um ataque a um complexo nos arredores de Islamabad, onde a sua presença foi confirmada no final de Abril.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.