Jerónimo de Sousa diz que Governo admite que falar em negociação com a 'troika' é "quase um eufemismo"

O secretário-geral do PCP disse hoje que o próprio Governo considera que chamar "negociação" aos contactos que tem mantido com a 'troika' em relação à ajuda externa é "quase um eufemismo".

"Eu não queria aqui fazer nenhuma inconfidência, mas chamar àquilo negociação, o próprio Governo tem dificuldade em afirmar que está a negociar", afirmou esta noite o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, numa entrevista à TVI, conduzida pela jornalista Judite de Sousa.

Segundo Jerónimo de Sousa, nos contactos entre a 'troika' e o Governo, o que se está a passar é apenas uma transmissão de informação. "Em termos de substância, de conteúdo ou até de negociação, eu - parafraseando alguém do Governo - diria que chamar negociação é quase um eufemismo", acrescentou.

Tal posição, admitiu o secretário-geral comunista, pode existir devido ao "tempo ainda verde, com pouca substância" dos contactos entre o Executivo de José Sócrates e a 'troika'. Contudo, salientou, esse foi o argumento dado pelo Governo para ainda existir "tão pouca informação" para transmitir aos partidos da oposição relativamente à negociação da ajuda externa.

Questionado sobre que membro do Governo terá dito que "é quase um eufemismo" falar em negociação, Jerónimo de Sousa acabou por adiantar que foi o ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira.

Jerónimo de Sousa revelou ainda que o Governo já contactou o PCP, através do deputado Agostinho Lopes, para dar informações sobre como estavam a decorrer as conversas com a 'troika', mas tratou-se apenas de "um primeiro contacto, uma informação muito genérica". Na entrevista, o secretário-geral comunista voltou a insistir na tese de que a ajuda externa solicitada por Portugal "não é a solução" porque se está perante "uma imposição, em que já está tudo muito determinado".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG