'Troika' apresenta plano na representação da CE

Os responsáveis da Comissão Europeia (CE), Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) vão apresentar o memorando de entendimento na representação permanente da Comissão Europeia em Lisboa, disse hoje fonte ligada às negociações.

"Neste momento [hoje], ainda não há data e hora marcadas", afirmou à agência Lusa a mesma fonte.

"No final de todo o processo negocial, a 'troika', quando tiver o memorando de entendimento, fará a sua apresentação", acrescentou.

O representante do Banco Central Europeu (BCE) na 'troika' Rasmus Rüffer esteve esta manhã cerca de cerca 40 minuto na representação da Comissão Europeia em Portugal, em Lisboa.

"Não tenho nada para dizer neste momento. Falamos convosco quando tudo estiver feito", disse Rüffer à Lusa à saída.

A 'troika', que está em Lisboa para negociar a ajuda financeira a Portugal, reúne cerca de duas dezenas de técnicos e é liderada por Juergen Kroeger (CE), Rasmus Rüffer (BCE) e Poul Thomsen (FMI).

Esta equipa tem realizado encontros com várias entidades portuguesas - desde parceiros sociais, centrais sindicais, partidos políticos a responsáveis e especialistas de diversas áreas -, de modo a estabelecer os compromissos que Portugal terá de assumir para, em troca, receber o empréstimo pedido pelo Governo.

Na segunda-feira, a imprensa económica noticiou que as medidas de austeridade da 'troika' seriam anunciadas pelo Governo na quarta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.