Governo diz que as contas são transparentes e lamenta expressões "impróprias" do líder do PSD

O ministro da Presidência sustentou hoje que as contas públicas portuguesas "são inteiramente transparentes" e criticou o líder do PSD por usar expressões impróprias antes de Portugal iniciar uma negociação internacional como "esqueletos escondidos no armário".

Pedro Silva Pereira falava aos jornalistas, depois de ser confrontado com as exigências do presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, de querer todas as situações financeiras do país "em cima da mesa" antes de iniciar um processo de acompanhamento das negociações do Governo com o Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) e com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

"As contas públicas portuguesas são inteiramente transparentes e conhecidas", sendo "auditadas por entidades independentes, reportadas internacionalmente pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e verificadas pelo Eurostat. A insistência por parte do PSD no sentido de se verificar alguma falta de transparência nas contas públicas, a insistência em expressões no mais impróprio dos momentos - como esqueletos no armário ou gatos escondidos com rabo de fora -- não são contributos à altura das exigências do país e do sentido do interesse nacional", respondeu o ministro da Presidência.

Segundo o titular da pasta da Presidência, o Governo "está disponível para prestar toda a informação, mas a informação das contas públicas portuguesas é transparente e conhecida das instâncias internacionais".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG