Reformados saúdam TC e pedem demissão do Governo

A Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos (MURPI) saudou hoje a decisão do Tribunal Constitucional de obrigar a repor o subsídio de férias e defendeu a demissão do Governo por considerar as suas medidas "lesivas" para os portugueses.

"Achamos positivo a decisão do Tribunal Constitucional de obrigar a restituir o subsídio de férias aos trabalhadores e pensionistas", disse à agência Lusa o presidente do MURPI.

O Tribunal Constitucional chumbou na sexta-feira o corte do subsídio de férias para o setor público, pensionistas e contratos de docência e investigação, bem como a criação de uma taxa sobre o subsídio de doença e desemprego.

Casimiro Menezes congratulou-se com a declaração de inconstitucionalidade de alguns artigos do Orçamento do Estado, considerando que a "solução passa agora pela dissolução da Assembleia da República e a demissão do Governo".

As medidas de austeridade do Governos são "lesivas para a vida dos portugueses" e "contribuem para um empobrecimento maior dos reformados", sublinhou.

Nesse sentido, defendeu a realização de "novas eleições, porque o Governo já provou que as medidas de austeridade não resolvem os problemas dos portugueses".

Também o Movimento Nacional dos Reformados Portugueses se congratulou com o chumbo do TC a algumas medidas do Orçamento do Estado, afirmando que foi "com muita alegria" que tomou conhecimento da decisão do tribunal.

"Estamos muito felizes, valeu a pena o esforço dos pensionistas e reformados, mas também de outros que nos acompanharam nesta caminhada que agora conseguimos ver o seu fim", afirma o presidente do movimento, Aires Margarido, numa nota enviada à Lusa.

O Governo convocou para hoje uma reunião extraordinária do Conselho de Ministros para "apreciar o teor" do acórdão do Tribunal Constitucional.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG