OE2012 é "um retrocesso de mais de 100 anos na vida"

A Plataforma 15 de Outubro, com mais de 30 entidades, apelou hoje à participação dos portugueses no protesto contra o Orçamento do Estado de 2012, que considera representar "um retrocesso de mais de 100 anos na vida" dos cidadãos.

Hugo Evangelista, da Plataforma, explicou, em conferência de imprensa realizada frente ao Ministério das Finanças, o "retrocesso de mais de 100 anos na vida das pessoas" com a retirada dos subsídios de férias e Natal, o aumento do horário de trabalho diário, a subida do IVA, cortes na saúde e na educação e a privatização de serviços como água, rede energética ou correios. "O esforço [de ultrapassar as dificuldades económicas] recai sobre os que trabalham e não sobre os responsáveis pela crise e deixa impune os que estão a lucrar com a situação", ou seja, "os banqueiros, os políticos que os apoiam e os especuladores", referiu ainda Hugo Evangelista.

A acção de protesto da plataforma portuguesa responsável pela manifestação de indignados de 15 de Outubro - constituida pelos 'Precários Inflexíveis','Opus Gay' e 'Juventude Operária Católica' - está marcada para quinta-feira, frente à Assembleia da República. A sua divulgação é feita através das redes sociais e da distribuição de planfletos. O movimento, que se associa à greve geral marcada para dia 24 de novembro, defende algumas medidas na atual situação de crise, como a suspensão do pagamento da dívida do país e a realização de uma auditoria às contas do Estado para "saber para onde foi o dinheiro" nos últimos anos, como referiu Tiago Castelhano, da Plataforma 15 de Outubro.

A necessidade de suspender o pagamento da dívida é justificada por Tiago Castelhano: "senão ficamos sem dinheiro para a Educação e para a Saúde". Os "indignados" têm realizado várias reuniões onde tentam juntar grande número de cidadãos com o objetivo de analisar a política vigente no país e as opções avançadas pelos representantes da população, e a forma como a sociedade está organizada, um movimento que se repete em vários países.

Exclusivos