PS diz que Bruxelas desautorizou o primeiro-ministro

O PS considerou hoje que a Comissão Europeia desautorizou o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, sobre a natureza do desvio orçamental em Portugal, colocando as suas causas nas contas da Madeira e na conjuntura internacional.

A posição dos socialistas foi transmitida pelo deputado João Galamba, na sequência de declarações proferidas pelo porta-voz da Comissão Europeia, Amadeu Altajaf.

"A Comissão Europeia acaba de desautorizar o primeiro-ministro, designadamente as afirmações que hoje fez no debate quinzenal no Parlamento, e deu razão ao PS quando questionou os números e a justificação do alegado desvio. O primeiro-ministro falou em três mil milhões de euros e o Instituto Nacional de Estatística (INE) não confirma este número ", sustentou João Galamba.

De acordo com o deputado do PS, o único desvio detectado pelo INE é na ordem dos 1600 milhões de euros, "que é a diferença entre o défice estimado e as metas da troika".

"Ao contrário do que tentou fazer passar o primeiro-ministro, a natureza do desvio não é da responsabilidade do anterior Governo e a Comissão Europeia deixou isto muito claro. Disse que o desvio, a existir, deve-se exclusivamente à Madeira e a alterações internacionais e ao arrefecimento da economia europeia", declarou João Galamba.

O deputado do PS considerou depois que o primeiro-ministro "tem de rapidamente explicar aos portugueses e ao Parlamento o que fundamenta as afirmações que tem vindo a fazer desde quinta-feira".

"Eventualmente, o primeiro-ministro terá de repensar algumas das medidas propostas para o Orçamento do próximo ano, porque a Comissão Europeia também disse hoje - e foi muito clara nesse aspecto - que é preciso uma execução orçamental muito inteligente. Com isto quis dizer que é preciso uma execução orçamental que não prejudique o crescimento", salientou.

Na perspectiva de João Galamba, as medidas do Governo até agora conhecidas "agravam brutalmente a recessão e vão reduzir de forma significativa o rendimento disponível das famílias".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.