Passos admite estar a desviar-se de promessas eleitorais

O primeiro-ministro fez a confissão hoje no Parlamento, mas responsabilizou por isso o anterior Governo.

No primeiro debate parlamentar após o anúncio de mais um pacote de austeridade, Passos Coelho afirmou: "As medidas anunciadas são minhas mas o défice que as obriga não é meu." Admitindo, mais adiante: "Estas medidas não respeitam as promessas eleitorais do PSD."

Segundo disse, "nos primeiros seis meses consumimos 70% o que tinhamos para o ano em défice". "Em 10 mil milhões foram consumidos sete mil milhões", afirmou, explicando que estas "contas não do Governo mas sim do INE". Segundo Passos Coelho, as contas da Madeira representam "um pouco mais de 10% do desvio apurado pelo INE". O primeiro-ministro disse que as medidas anunciadas ontem foram-no porque o Governo precisou de arrecadar mais dois mil milhões para lá do que previa. E depois deixou um desafio ao PS: que proponha outros caminhos para obter a mesma receita.

Foi o líder do PS quem abriu o debate. Ao ataque, António José Seguro acusou: "As medidas que o senhor anunciou não são as constantes do memorando." Mais adiante acrescentou: "Assim não vamos lá." Seguro salientou também que as contas do défice que o PS faz não são as mesmas do Governo. "Violentas", "injustas" e "um golpe fortissimo na já debilitada classe média", sendo que, entretanto, "sobre o crescimento, zero."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.