Governo admite avaliar corte de apenas um subsídio

O ministro dos Assuntos Parlamentares admitiu hoje que "todas as propostas (para o Orçamento do Estado) são possíveis de ser avaliadas", incluindo a manutenção de um dos subsídios dos funcionários públicos, como pretende o secretário-geral do PS.

"Todas as propostas são possíveis de ser avaliadas. Têm que ser avaliadas, têm que ser vistas na dimensão que elas produzem nas consequências dos objectivos que têm que ser atingidos, mas a atitude que o Partido Socialista teve foi uma atitude muito construtiva e muito positiva", afirmou Miguel Relvas aos jornalistas.

O ministro falava à margem de um almoço de homenagem ao presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, num hotel de Lisboa.

Questionado sobre como pretende compensar a nível do Orçamento do Estado que apenas um dos subsídios seja cortado, Miguel Relvas respondeu que essas "são matérias que têm que ser tratadas com capacidade técnica, é isso que está a ser feito".

"Há sempre abertura para conversarmos com outros partidos políticos, é isso que temos feito com o Partido Socialista, temos conversado no Parlamento, os deputados da maioria e os deputados do Partido Socialista", afirmou, acrescentando que "a votação [final global] é no dia 30 de Novembro, há ainda um caminho a percorrer".

Para o ministro, "o que é inegociável é o objectivo de Portugal no próximo ano ter 4,5 por cento" de défice, porque "já passou o tempo de ilusões, já passou o tempo de se apresentar orçamentos que à partida se sabia que não eram concretizáveis".

"Estamos sempre abertos a propostas que permitam que os objectivos se possam atingir", afirmou.

O secretário-geral do PS, António José Seguro anunciou na quinta-feira a abstenção dos socialistas na votação do Orçamento do Estado, acrescentando que o objectivo do partido é que seja mantido um dos subsídios dos funcionários públicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.