Corte nos subsídios aprovado

O Parlamento já aprovou o corte nos subsídios de Natal e de férias, numa versão aligeirada: atingirá rendimentos brutos acima de 600 euros, sendo a sua aplicação progressiva até aos 1100 euros, a partir dos quais o corte será total. O PS absteve-se na 'modelação' proposta hoje pela maioria e votou contra o artigo quer corta os dois subsídios. As alterações valem para pensões e para a função pública.

Ao mesmo tempo, e apesar daquela abstenção, o PS quis levar a votos a sua proposta de manter um dos subsídios intocáveis. Foi chumbada pela maioria.

Apesar da abstenção socialista, a deputada Isabel Moreira (eleita nas listas do PS, sendo independente) votou contra a proposta da maioria, 'furando' a indicação de voto. Mais: votou a favor das propostas do Bloco e PCP que propunham a manutenção dos salários e pensões como estão.

Na versão inicial do Governo, entre o salário mínimo (485 euros) e os 1000, estava previsto um corte gradual até à perda de um dos subsídios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".