"Este orçamento foi o mais difícil da nossa democracia"

O ministro da Defesa qualificou hoje o Orçamento do Estado de 2012 como "o mais difícil" da democracia nacional, não apenas na elaboração, mas também na execução.

"Este orçamento foi o mais difícil da nossa democracia, em elaborá-lo e também vai ser em executá-lo. Mas o que hoje Portugal exige é que se faça tudo para salvar o país e a contenção das despesas é um problema que não é só da Defesa, é uma resposta solidária de todos os setores, da Saúde, Educação, a Defesa, e diferente do que aconteceu até hoje: agora não se pode gastar o que se quer, mas o que se pode", disse, questionado pela agência Lusa.

Em visita oficial a Cabo Verde, Aguiar Branco manifestou-se convencido que os portugueses "compreendem o esforço que foi feito pelo Governo".

"Hoje, na Assembleia da República, o Orçamento mereceu uma aprovação significativa, também com a abstenção do PS, e estão reunidas as condições para que Portugal tenha, a partir de agora, mais um instrumento para ultrapassar a grave crise em que nos encontramos", afirmou.

As despesas do Estado com a Defesa Nacional vão diminuir 3,9 por cento no próximo ano, estando previsto um corte de 30 por cento nos encargos com saúde no Orçamento do Estado para 2012, hoje aprovado.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG