Nova travessia vai custar cerca de 1,7 mil milhões

A ponte terá uma extensão de 13 quilómetros,sete dos quais sobre o rio Tejo.

PONTE FERROVIÁRIA


Desde que foi apresentado em 2005, o projecto de alta velocidade contemplou uma ponte ferroviária, essencial na ligação a Madrid. A travessia foi apresentada como tendo duas vias para a circulação dos comboios de alta velocidade, em bitola europeia, e onde poderão circular os comboios espanhóis e franceses, por exemplo. A ponte vai ainda dispor de duas vias para os comboios convencionais, esta é uma forma de rentabilizar a infra-estrutura, estando em preparação o lançamento de novos serviços suburbanos, que irão também ligar ao aeroporto. O pendular pode circular nestas vias. A componente ferroviária envolve um investimento de 1,2 mil milhões de euros.


PONTE RODOFERROVIÁRIA


O Governo manteve segredo, até ao anúncio da sua localização, se a ponte teria componente rodoviária. As dúvidas ficaram ontem esclarecidas, Chelas-Barreiro vai ser uma ponte rodo-ferroviária à semelhança da Ponte 25 de Abril. A ponte vai ter duas vias laterais com três faixas cada uma para o tráfego rodoviário. O investimento estimado para a componente rodoviária está fixado entre 500 e 600 milhões de euros, o que eleva para 1,7 ou 1,8 milhões de euros o custo total da terceira travessia do Tejo. As estimativas de tráfego apresentadas pela Rave apontam para 66 mil veículos por dia em 2017, contra os 91 500 da Ponte Vasco da Gama e os 140 mil da 25 de Abril.