Da goleada no Euro 2004 ao interior de avião futurista

Empresa especializada em 'design' de transportes idealiza o produto e leva-o ao mercado. Foi assim com o autocarro da seleção

Horas antes da final do Campeonato da Europa de futebol, em 2004, Portugal viveu sensações únicas, com as imagens televisivas da onda de entusiasmo durante o percurso do autocarro da seleção nacional rumo ao palco da final, frente à Grécia. Momentos arrepiantes, sem dúvida. Mas onde se encaixa aqui o design? Em todo o Europeu...

É que o autocarro que transportou a seleção (e mais sete equipas nacionais) foi criado pela Almadesign. Empresa nascida há 14 anos, que desenvolve projetos de design de transportes (aeronáutica, ferroviária e rodoviária), produtos mobiliários, máquinas industriais e interiores.

"No Euro 2004, havia um campeonato à parte, na área de transportes. A nossa empresa estava representada com oito autocarros, da Salvador Caetano, e de Espanha vieram outros tantos. A seleção portuguesa utilizava um nosso, o Winner [vencedor]. Nos oitavos de final da prova, havia sete autocarros nossos e um espanhol. Uma verdadeira goleada", conta Rui Marcelino, fundador e sócio principal da Almadesign. Mas a história não termina aqui. "Fomos à final com dois autocarros. Infelizmente, ganhou o Winner errado, o da Grécia."

O transporte utilizado pela seleção foi idealizado e concebido pela Almadesign, que acompanha os projetos até ao mercado. "Criamos inovação através do design. Fazemos muito mais do que desenhar os produtos: idealizamo-los e levamo-los até ao mercado. Ter ideias novas, ser criativo e colocá-las no mercado, é assim que funcionamos", explica Rui Marcelino. E a justificação do nome da empresa vem de seguida: "Alma tem a ver com aquilo que as pessoas ambicionam, o que o mercado quer. A alma é também parte central de uma estrutura. Ou seja, um significado emocional e por outro lado racional, de realização."

A história da Almadesign deve-se ao desafio lançado por Salvador Caetano a Rui Marcelino para desenhar uma carroçaria de turismo comemorativo dos 50 anos da empresa. Aí nasceu o modelo Enigma, e com ele a empresa de design, que na mesma altura (97) inicia também colaboração com o departamento de Animação da Expo 98. O Acqua Matrix, o espetáculo de encerramento diário da exposição, é da sua autoria, tendo pertencido à Almadesign a conceção da Escape Machine.

"Hoje em dia é difícil andar na rua e não esbarrar com uma coisa feita aqui", refere Rui Marcelino. "Quem já andou de avião, muito provavelmente entrou num dos nossos autocarros, que estão em metade dos aeroportos de todo o mundo. Quem fez viagens de autocarro para o Algarve, Porto, zona Oeste deve ter andado no Winner. Estamos presentes em vários centros comerciais, com os expositores e bancas da Sony e Worten."

Marcelino já teve essa experiência de "tropeçar" com os seus produtos. "Em Londres, à saída do metro, estava um grupo de japoneses a correr, de máquina em punho, para fotografar o Buckingham Palace e eu virado para trás a fotografar um autocarro, o Winner."

O trabalho em parceria com empresas portuguesas é apanágio da Almadesign, que recentemente desenvolveu projetos de interiores de aviões, autocarros e comboios bem futuristas, nos quais utilizou couro natural e a cortiça de empresas nacionais. "O objetivo é que as empresas portuguesas mostrem as suas matérias-primas e serviços integrados em novos produtos e soluções para o mercado. Agarrámos nos parceiros com que temos trabalhado - Grupo Amorim, Salvador Caetano, Iberomoldes, Carvalhos - e fizemos aquilo que se procura em transportes para o futuro: mais leves, confortáveis e ecológicos." Nesta lógica, a "obra de arte" é o Life. Um interior para a aviação executiva forrado quase exclusivamente a cortiça e couro, recorrendo à iluminação intuitiva, fibras óticas e LED embebidos em painéis de cortiça, ecrãs táteis, num conceito de tecnologia invisível. "Não é ficção científica. É um avião do futuro."