A empresa que dá outra cor à tradição portuguesa

Os galos 'pop' minimal, uma transformação do galo de Barcelos, foram o ponto de partida de uma empresa que reinventa os símbolos do artesanato nacional.

A tradição ainda é o que era, mas tem também uma nova cara e roupagem. É sob este mote que a empresa de design português Águas Furtadas, criada em 2005, tenta reinventar dia após dia a tradição e o artesanato português. Vejamos o emblemático galo de Barcelos, por exemplo. Este colorido símbolo português ganhou uma nova identidade e um novo visual: o galo pop minimal é agora todo ele de uma só cor e foi o ponto de partida para a criação de uma empresa que vive da tradição portuguesa - ou da sua transformação, neste caso.

"A ideia de lançar as Águas Furtadas partiu de um grupo de amigos, que queria criar um espaço ligado à identidade portuguesa. Não queríamos uma típica loja de objetos tradicionais, mas sim uma evolução dos mesmos", começou por explicar Rute Arnóbio, enquanto não hesita em apontar para o local onde se encontram os "parentes" do galo de Barcelos.

Azuis, vermelhos, verdes, amarelos ou laranjas, cada galo pop minimal é pintado segundo uma das cores do galo original. "Respeitamos a tradição, mas não queremos que as coisas estanquem. Procuramos que evoluam", justificou Rute.

Ao entrar na loja Águas Furtadas, no Porto, somos de imediato impactados por uma explosão de cores, com acessórios, ilustrações e o mais variado tipo de objetos de decoração. "Percebemos que os portugueses queriam objetos feitos à mão, coisas artesanais. Há um orgulho muito grande no ser e no artesanato português", considera a criadora de uma empresa que tenta transmitir "a existência de um mundo encantado". Inicialmente projetada num bar numa das águas-furtadas no Porto, a empresa acabou por acolher o mesmo nome do local onde nasceu.

Embora seja uma empresa direcionada para o mercado nacional, Rute explica que o público-alvo acaba por ser estrangeiro. "Eles vêm ter connosco, há um grande interesse pela cultura portuguesa, e temos beneficiado do aumento do turismo no Porto nos últimos anos. Muitas vezes os estrangeiros veem as nossas peças e, quando chegam ao seu país, fazem as encomendas. Quando criámos a empresa e os galos pop minimal, estivemos numa apresentação em Londres. Todos os galos foram vendidos em pouco tempo."

As Águas Furtadas trabalham com marcas de referência como a Designwise, Bombaamor, Ecoteca, Aves pelos Ares e Trash Design, bem como a Bordalo Pinheiro - nome do criador do zé-povinho - e apresentam como ponto forte, segundo Rute, o serviço personalizado. "Se não tivermos o que a pessoa pretende, mandamos produzir."

Os galos pop minimal são o cartão de visita da empresa, mas há outras peças que contribuem para a sua identidade. Já diz o ditado que "quem tem medo compra um cão". Nas Águas Furtadas, este conhecido ditado português deu lugar a uma coleção de cães de louça cujo visual e combinação de cores são, também, originais. Entre bonecos de autor e acessórios para o lar, "quem vier à loja saberá que poderá encontrar uma peça com um conceito diferente, não de um português em rutura com a sua identidade, mas sim em constante evolução", vincou Rute.

A concorrência - associada à crise - é motivo para as Águas Furtadas continuarem na "produção de mais e melhor". "No início não tínhamos concorrência, porque éramos a única empresa que fazia peças artesanais portuguesas à mão. Nos últimos anos, mesmo com a concorrência, temos tido um belíssimo crescimento", garante, otimista, antes de lembrar que as Águas Furtadas, para além do espaço comercial, também executa projetos de design gráfico, interior e digital.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.