De tamancos antigos nasceram botas 'fashion'

Duas amigas que não tinham a ver com a indústria do calçado fizeram botas do típico calçado português. A marca Xus nasceu em 2008

"Vamos à praia?", convidou um amigo de Rita Melo, a meio da semana passada. A empresária, sócia da Xuz, marca de sapatos nascida em 2008, reinventando socas e tamancos portugueses, disse que não e, do outro lado da mesa que decora o escritório da empresa, na Lx Factory, em Lisboa, Maria do Carmo Alvim, a outra metade do negócio, ri-se. "Os próprios amigos não têm noção do trabalho que é", dizem uma e outra.

De ano para ano, a Xuz tem vindo a duplicar o volume de vendas. Começaram com 300, depois 600 e no primeiro semestre deste ano chegaram aos 10 mil pares vendidos, a mesma marca que tinham atingido em 2010. Até ao final do ano contam chegar aos 15 mil. "O nosso dossier de reposição já é uma coisa importante", afirma Rita. Com a novidade de esta estação estarem em mais pontos de venda na zona norte (Porto e Braga). Por isso, quem as quiser ver é no escritório, até às 20.30, rodeadas de amostras, sapatos e caixas de cartão.

Na Xuz, microempresa por definição (tem menos de 10 empregados e factura menos de 10 milhões de euros por ano), além da ex-produtora de televisão Rita e da ex-quadro da SIBS Maria do Carmo, trabalha apenas a secretária. Mas há mais 52 postos de trabalho envolvidos na produção destes sapatos, como se pode ler nos cartõezinhos atados às socas, sandálias e botas que saem de um dos cerca de 70 pontos de venda (maioritariamente boutiques) que vendem a marca. "Só faltamos mesmo nós", dizem.

A ideia dos socos nasceu por nostalgia em 2008. Meses depois, para o Inverno, as duas amigas e sócias investigavam como transformá-los em botas. Numa feira onde se vendiam os típicos tamancos do norte encontraram a solução. E apesar da resistência inicial, conseguiram convencer os fornecedores que era possível fazê-las com a sola dos típicos tamancos portugueses. E o que antes era impossível, há um ano já era copiado. Resultado: este ano, já há modelos patenteados. "Uma coisa era inspirarem-se no que fazemos, outra é quererem fazer igual", considera Maria do Carmo. "E é uma pena que sejam fábricas portuguesas a fazê-lo", acrescenta. No combate à pirataria vale-lhes o facto de fazerem as séries curtas e apostarem na variedade de modelos. E, para temperar o mau trago da contrafacção, a originalidade do design valeu-lhes o prémio revelação GAPI - Prémios Inovação na Fileira do Calçado, entregue em Setembro na feira de Dusseldorf.

Cerca de 15% do volume total de vendas são exportações. Maria do Carmo Alvim gostava de ver as Xuz em Nova Iorque, Rita diz que o importante agora é "consolidar os mercados actuais". "Depois atiramo-nos a novas coisas." A Escandinávia é o principal destino dos sapatos que saem de Portugal. Holanda e Alemanha são outros possíveis destinos e também já estão no Canadá. "Uma cliente nossa levou o conceito para lá", explica Rita Melo.

Todas as estações, Rita Melo e Maria do Carmo Alvim preparam novidades nas colecções. A de Outono/Inverno 2011/12 traz botas com solas diferentes e as do próximo Verão ainda são segredo. Do que se vai passar no próximo Outono/Inverno há pelo menos um pormenor que já pode ser revelado: contarão com as ideias de uma jovem designer, com formação em Londres e uma experiência internacional que, à semelhança de outras pessoas (designers e comerciais), se propôs a trabalhar na marca. Vai colaborar no desenho das peças da marca já na próxima estação fria. "Gostámos dela, achámos que tinha tudo. Chegou aqui com o portefólio mas também com o que elas achava que eram as ideias Xuz", conta Maria do Carmo Alvim. Convenceu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.