Banco angolano ficou com o melhor do antigo BPN

O BIC acredita que fez um favor ao Estado ao comprar o BPN, uma instituição falida, com uma imagem degradada e uma reduzida carteira de clientes.

Para conseguir vender o banco, o Governo teve de criar um "bad bank" onde colocou os créditos malparados deixando para o BIC a boa carteira de créditos. Também permitiu que o novo dono escolhesse as agências e os trabalhadores, num processo que ficará resolvido até ao final do ano.

No mínimo, o BIC assegura 750 dos 1580 funcionários (mas esse número pode aumentar até mil). Das cerca de 220 agências que o BPN tinha, o BIC ficou com 160, o que lhe permite ganhar expressão nacional. Antes da compra, o banco tinha apenas sete agências/centros de empresas.

O processo está agora numa fase de transição e, um pouco por todo o País, o "bordeaux" e as três letras BPN vão sendo substituídas pelo laranja e a sigla BIC. No "site" do BPN destaca-se uma frase que diz "Já somos BIC", seguida do "slogan" do banco: "Crescemos juntos".

Leia mais no epaper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG