Paulo Penedos acusa funcionário da REN de ser fonte

O advogado Paulo Penedos, coarguido no processo 'Face Oculta', incriminou hoje um funcionário da REN (Redes Energéticas Nacionais), acusando-o de transmitir a Manuel Godinho informações sobre "processos de decisão" naquela empresa.

Em declarações ao Tribunal de Aveiro, onde está a decorrer a oitava sessão do julgamento, Paulo Penedos disse que "toda a informação existente nos autos mostra bem que o detalhe de muitas questões não têm como fonte Paulo Penedos ou José Penedos, mas sim Andrade Lopes (funcionário da REN que em 2009 tinha a seu cargo o o caso da central da Tapada do Outeiro)".

O advogado respondeu desta forma a uma questão do juiz presidente do colectivo, Raul Cordeiro, após ter sido confrontado com a escuta de uma conversa telefónica entre Manuel Godinho e o seu funcionário Namércio Cunha, igualmente arguido, onde se fala da proposta a apresentar sobre os trabalhos a realizar nas instalações da REN na Tapada do Outeiro.

Nesta conversa, Godinho pergunta se percebeu o que Andrade Lopes pretendia, ao que Namércio Cunha responde que "ele da parte das cinzas só pretende saber preços, mas que tem é que se preparar as coisas e proporcionar para que elas sigam para cima".

"Esta conversa mostra bem que falta alguém nos autos", afirmou Paulo Penedos, referindo-se ao "engenheiro Andrade Lopes", que à data dos factos desempenhava funções no Departamento Monitorização do Sistema Produtor da REN.

"Comigo, [Manuel Godinho] tem informações sobre a marcha dos processos, mas sem qualquer detalhe sobre o fundo da questão. Quem transmite as informações sobre o processo de decisão é Andrade Lopes", acrescentou Paulo Penedos.

Na sessão da manhã, o advogado voltou a ser confrontado com várias escutas onde faz referências indirectas ao então presidente da REN, o seu pai, José Penedos, admitindo, mais uma vez, que algumas destas referências eram "para tranquilizar Manuel Godinho".

"Visto assim, claro que isto tem mau lado", afirmou, justificando estas atitudes com a necessidade de responder "à pressão exercida" por Manuel Godinho.

"Isto sem mais, com certeza que me envergonha. Agora, é preciso contextualizar na relação que tinha com o meu cliente. O senhor Godinho não queria saber de detalhes técnicos. Só queria os camiões carregados. Face à pressão e à urgência em que estava, ia fazendo estas referencias indirectas", esclareceu.

No início da sessão, o juiz presidente esteve a analisar vários documentos apresentados por Paulo Penedos para demonstrar que na ligação com a REN não teve acesso, nem usou informação privilegiada, fornecida pelo seu pai.

"Nas suas conversas com Manuel Godinho não se evidencia o saber técnico que agora mostrou", nota o magistrado.

Paulo Penedos coloca-se na posição dos investigadores e admite que as escutas das conversas telefónicas entre si e Manuel Godinho "têm um lado mau", realçando, porém, que os documentos que apresentou, agora, "ajudam a compreender o contexto".

O interrogatório foi interrompido cerca das 12:45 e será retomado ao início da tarde.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG