Julgamento do caso "Face Oculta" entra em nova fase

O julgamento do caso "Face Oculta", que está a decorrer no tribunal de Aveiro há quase um ano, entrou esta quarta-feira numa nova fase, com a audição das testemunhas de defesa.

As primeiras a serem ouvidas foram as testemunhas arroladas pela defesa de Manuel Godinho, o principal arguido no caso, que optou por inquirir apenas duas testemunhas abonatórias, abdicando de ouvir as restantes.

Entre as testemunhas prescindidas estão o histórico dirigente do CDS Narana Coissoró e o líder parlamentar dos centristas, Nuno Magalhães, que deveria depor por escrito. "Quem tem de fazer a prova é a acusação e, na minha avaliação, não se justificava estar a ouvir contra prova", disse, aos jornalistas, o advogado do sucateiro de Ovar, Artur Marques.

Manuel Godinho, que marcou presença nesta audiência, ouviu o ex-presidente da Junta de Esmoriz, Alcides Alves, e o presidente dos Bombeiros de Ovar, Dinocrato Formigal e Costa, tecerem elogios à sua qualidade de benemérito.

Alcides Alves realçou a disponibilidade do sucateiro para ajudar os outros, dando como exemplo o caso de uma cadeira de rodas que Manuel Godinho "deu a uma família que tinha um filho entravado".

O ex-presidente da junta de Esmoriz, onde o arguido reside, disse ainda ter conhecimento de várias pessoas que "foram operadas com a ajuda do senhor Godinho". O presidente dos Bombeiros de Ovar referiu-se a Manuel Godinho como sendo uma pessoa "extremamente simples" e que apoiava os bombeiros, dando uma contribuição monetária no dia do aniversário da corporação.

Para o defensor de Manuel Godinho, o depoimento destas testemunhas foi "particularmente significativo", porque, segundo ele, relevaram que não se trata de um cidadão qualquer. "É um cidadão muito empenhado socialmente em solidariedade, participativo", disse o causídico, que espera que estes depoimentos tenham peso na decisão final do tribunal.

Ainda na sessão desta quarta-feira, foram ouvidas mais quatro testemunhas arroladas pelas defesas de Maribel Rodrigues, Manuel Nogueira da Costa, Paulo Pereira da Costa e Hugo Godinho.

O processo "Face Oculta" está relacionado com uma alegada rede de corrupção, que teria como objetivo o favorecimento do grupo empresarial do sucateiro Manuel Godinho, nos negócios com empresas do setor empresarial do Estado e com privadas. Entre os arguidos estão personalidades como Armando Vara, ex-administrador do BCP, e José Penedos, ex-presidente da REN, e o seu filho Paulo Penedos.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG