Consolidar créditos para 'esticar' dívidas

A ideia é simples: juntar todos os empréstimos num só, dar como garantia a casa e alargar o prazo de pagamento. Esta é a fórmula para a consolidação de créditos, uma solução de pagamento que já existe no mercado há algum tempo.

Esta semana surgiu um novo produto desta categoria, lançado pela Capital Mais, que se junta a um conjunto de outras soluções mais ou menos similares.
A vantagem da consolidação de créditos está na redução da prestação, ou seja, pagar um único valor que é inferior à soma dos diferentes créditos (compra de casa, automóvel, cartão de crédito).

O produto poderá, assim, ser uma solução para quem entrou em incumprimento. Mas para que a consolidação possa acontecer terá sempre de haver um crédito à habitação. O imóvel em questão serve de garantia para um novo crédito, que substituirá todos os outros.

Quase todos os grandes bancos oferecem operações de consolidação de créditos, especialmente quando solicitadas pelos clientes. Contudo, nos últimos anos surgiram no mercado pequenas instituições financeiras a oferecer o produto, face ao aumento do endividamento das famílias.

Estão neste caso o Banco Primus, a Euro Caução e a GE Money. É precisamente esta última que, através da sua subsidiária GE Consumer, está a comercializar o "Único", da Capital Mais. Trata-se de uma modalidade de consolidação de créditos que pode reduzir até 60% o encargo total com os diferentes empréstimos. O Banco Primus, por seu lado, anuncia uma redução mensal nos encargos com créditos que pode chegar aos 50%.

Algumas desvantagens

Mas a consolidação de créditos acarreta algumas desvantagens a ter em conta. Em primeiro lugar, ao liquidar os anteriores empréstimos, transformando-os num só, terá de pagar comissões por amortização desses créditos.

Depois, o facto de liquidar a mesma dívida durante um prazo mais dilatado significa pagar juros durante mais tempo. Mesmo conseguindo uma taxa mais baixa, há que compará-la com a taxa anual efectiva global (TAEG) que pagará até acabar o prazo do crédito.

Se para consolidar os seus empréstimos tiver de realizar um novo empréstimo hipotecário, o cliente terá de pagar nova escritura e outras despesas relacionadas.

E convém não esquecer que, se entrar em incumprimento com os créditos consolidados, a garantia que se arrisca a perder é a casa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG