Preço dos combustíveis acima da média europeia

O preço dos combustíveis em Portugal, sem impostos, esteve acima da média na União Europeia a 27 no primeiro semestre deste ano. A Autoridade da Concorrência (AdC) divulgou o relatório para o segundo trimestre, que será o último antes da análise aprofundada ao sector dos combustíveis a partir de Outubro.

Neste período, o gasóleo subiu 27,7% e a gasolina aumentou 8%.
Uma das conclusões é a de os preços sem impostos, que são fixados pelas petrolíferas e não dependem dos impostos, foram no primeiro semestre de 2008 superiores à média dos 27 países da União Europeia. Aliás, sublinha a AdC, desde finais de 2005 que quer o preço do gasóleo quer o da gasolina "têm vindo a ser sistematicamente superiores á média da UE".

Na gasolina, a diferença foi de 2,36 cêntimos por litro no primeiro trimestre e de 1,27 cêntimos por litro entre Março e Junho. Já o gasóleo nacional só esteve abaixo da média dos 27 por duas semanas. A diferença para cima foi de 1,8 cêntimo por litro no primeiro trimestre e de 1 cêntimo nos três meses seguintes.

Apesar deste diferencial desfavorável aos preços nacionais, a Concorrência salienta que os aumentos praticados em Portugal foram menores que a subida das cotações dos produtos refinados à saída das refinarias e ficaram aquém dos aumentos sentidos nos mercados internacionais dos dois combustíveis . Só no segundo trimestre, a gasolina aumentou 19,7% à porta da refinaria, enquanto que o seu preço sem impostos subiu 16,7% em Portugal, em relação ao mesmo período de 2007.

O diesel disparou 62% à saída das refinarias. Nas bombas nacionais o preço sem imposto valorizou 47,5%. Entre o primeiro e o segundo trimestre a evolução foi similar. A AdC realça que o mercado reage com cerca de duas semanas de atraso face às cotações internacionais. Este desfasamento colocou debaixo de fogo as petrolíferas que têm sido acusadas de não estar a reflectir a baixa do petróleo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.